17/05/2024

Sefaz: gasto com folha volta a ser maior que receita tributária

O secretário estadual de Fazenda, Gustavo de Oliveira, revelou que a folha de pagamento dos servidores públicos em 2016 voltou a ser superior que a receita tributária – proveniente de impostos e contribuições. Foram R$ 8,2 bilhões em receita contra R$ 9,3 bilhões com salários. O mesmo já havia acontecido em 2015.

 

Os dados foram revelados durante apresentação do relatório das Metas Fiscais do 3º Quadrimestre de 2016, na Assembleia Legislativa, na manhã desta terça-feira (28).

 

Os valores estão deduzidos de repasses aos Municípios e de renúncia, já que essas cifras não podem entrar na comparação. Na soma total, o Estado arrecadou R$ 10,399 bilhões.

 

Somente no ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), foram R$ 8,6 bilhões. Um acréscimo de 8,9% em relação a 2015. Já com o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), a receita foi de R$ 585,4 milhões.

 

Esperamos que as medidas de ajuste do Governo Federal, que são duras, mas são para toda a sociedade, surtam efeito o mais rapidamente possível

“Esse crescimento da receita tributária, basicamente, se deve a uma política estabelecida desde o começo do governo, fortemente calcada em revisão dos incentivos fiscais, reajustes de alíquotas tributárias, mas, especialmente, de um esforço fiscal da equipe da Sefaz”, disse.

 

A receita orçamentária – todos os recursos que ingressam nos cofres públicos – em termos reais e já descontada a inflação cresceu 3,6%. Ao todo, foram 18,9 bilhões, ante R$ 16,6 bilhões em 2015.

 

Apesar disso, os gastos com folha salarial dificultaram o Estado de poder fazer investimentos e fechar o ano com mais dinheiro em caixa.

 

O déficit primário – valor gasto pelo Governo e que excede o valor de sua arrecadação – ao final do ano foi de R$ 80 milhões.

 

“Infelizmente, hoje vivemos a pior crise da história da República. O acumulado de dois anos é a maior queda do PIB que o País já enfrentou, causados principalmente por um desarranjo nas contas do Governo federal. Uma política fiscal irresponsável, que tentou de alguma forma simular um crescimento que não existia e que praticamente levou o País à derrocada”, disse Oliveira.

 

“Se por um lado tudo isso é ruim, a perspectiva é um pouco melhor. Esperamos que as medidas de ajuste do Governo Federal, que são duras, mas são para toda a sociedade, surtam efeito o mais rapidamente possível no grande agente capaz de reorganizar o País, que é o crescimento econômico”, afirmou.

 

Estouro da LRF

 

De acordo com Gustavo de Oliveira, não fosse o novo entendimento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre o cálculo do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o “estouro” de gastos com folha salarial chegaria a 54,30% ao final do ano.

 

Segundo os dados apresentados, o Governo gastou 45,33% de sua receita com folha salarial, abaixo do limite máximo de 49% imposto pela LRF.

No 2º quadrimestre de 2016, divulgado em outubro do ano passado, o percentual chegou a 50,61%.

 

Ao todo, foram gastos R$ 9,4 bilhões com folha para o funcionalismo público. Um acréscimo de 8% em relação a 2015. Somados a isto, estão pouco mais de 2% da Revisão Geral Anual (RGA) pagas no ano passado.

 

Já com relação as despesas de folha de todos os Poderes, contando Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa, além do Ministério Público, o Estado fechou o ano gastando 56,41% de sua receita. O limite para este quadro é de 60%.

 

Fonte:http://www.midianews.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize