25/05/2024

Em delação, Silval detalha esquema de propinas em obras da Sinfra

Em seu acordo de colaboração premiada, o ex-governador Silval da Cunha Barbosa (PMDB) detalhou um esquema de desvios de recursos em obras de pavimentação em todo o Estado. Ele citou propinas a deputados estaduais, a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), ao senador Wellington Fagundes, e ao deputado federal Carlos Bezerra (PMDB).

Segundo Silval, processos de licitação, fiscalização e liberação de recursos foram fraudados na Secretaria de Estado de Transporte e Pavimentação Urbana (Setpu), atual Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) no programa MT Integrado, que investiu R$ 1,5 bilhão em obras de estradas.
As informações foram divulgadas pela TV Centro América na manhã desta quinta-feira (24).

O ex-governador cita que o ex-secretário da Setpu Sinésio Nunes foi indicado ao cargo pelo senador Wellington Fagundes (PR). O senador teria pressionado Silval para receber propinas nos contratos das obras e o ex-governador disse ter autorizado o secretário a repassar uma porcentagem, ainda desconhecida, para Fagundes quitar dívidas de campanha.

Poucas empresas participantes dos contratos da Setpu não participavam pagando valores indevidos, segundo o ex-governador. O dinheiro era direcionado a membros e aliados do governo e também serviria para o pagamento de dívidas de campanha do grupo político de Silval.

Ele afirma ter recebido pressão da Assembleia Legislativa e do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para o pagamento de propinas nas obras de rodovias. Deputados teriam pedido entre 3% e 4% dos contratos para não criar entraves no legislativo. Segundo Silval, cada um deles teria recebido R$ 600 mil desviado das obras.

A entrega dos valores era feita por Silvio Cézar Araújo Corrêa, ex-chefe de gabinete do ex-governador. Entre oito e dez deputados teriam sido gravados recebendo os valores ilegais – a Folha de SP afirma que o ex-deputado e atual prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) seria um deles.

O andamento das obras teria sido afetado pelo esquema de corrupção. Conselheiros do TCE teriam suspendido os editais do MT Integrado por problemas na distribuição da propina. Segundo o Silval, o então presidente do TCE José Carlos Novelli teria pedido valores indevidos para ele e mais quatro conselheiros num total de R$ 53 milhões. Novelli teria exigido a emissão de 36 notas promissórias para a conclusão da negociação.

O TCE também teria participado de esquemas em contratos com a Gendoc Sistemas e Empreendimentos, empresa de fornecimento de tecnologia para o executivo. Ao todo, R$ 50 milhões foram pagos para serviços de digitalização e arquivamento de documentos da Imprensa Oficial do Estado de Mato Grosso (Iomat).

O Ministério Público Estadual chegou a apontar problemas no contrato com um aumento de 111% entre um ano e outro. O TCE, contudo, aprovou a prestação de contas apenas com pequenas ressalvas e multa. De acordo com o ex-governador, entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões foram distribuídos em propina para a aprovação.

Além do contrato com a Gendoc, também foram desviados recursos da desapropriação do bairro Renascer, em Cuiabá, para quitar a dívida com os conselheiros do TCE. Silval cita que neste esquema, as propinas também foram recebidas ainda pelo ex-secretário Pedro Nadaf e pelo deputado federal Carlos Bezerra – apenas o deputado teria ficado com R$ 1 milhão.

TCE atrasou obras
Em 2014, o ex-governador conta que houve atraso nos pagamentos e que, por isso, o conselheiro afastado Sérgio Ricardo teria atuado para paralisar as obras do MT Integrado. Silval prometeu pagar o restante das vantagens até o fim daquele mesmo ano por meio de uma suplementação no orçamento do TCE, os repassas conhecidos como duodécimo.

À época, o conselheiro afastado cobrava publicamente transparência nos contratos das obras e em 2013 foi firmado um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) entre o TCE e o governo para sanar problemas do programa de pavimentação de estradas.

Estado se endividou para pagar propina
Silval Barbosa ainda conta que fez o Estado de Mato Grosso contrair dívidas para arcar com o pagamento de propinas. Ele afirma que o esquema era antigo e teria herdado os débitos do governo do atual ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP), por meio do ex-secretário de Infraestrutura Luiz Antonio Pagot.

Para o quitar as dívidas, Silval afirma que direcionou R$ 37 milhões para um programa de construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) no vale do rio Juruena. Metade dos valores foram desviados.

Outro lado
O senador Wellington Fagundes diz desconhecer o teor da delação e afirma que todas as doações feitas à sua campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A Gedoc afirma que procurou o MPE para esclarecer os fatos citados pelo ex-governador e diz que seus representantes foram extorquidos pelos participantes do esquema.

Luiz Antonio Pagot nega qualquer participação nos crimes.

O deputado federal Carlos Bezerra afirma que apenas intermediou uma conversa entre Silval e os donos do terreno do bairro Renascer mas que não cobrou qualquer valor para isto.

Segundo o TCE, as suspensões dos editais do MT Integrado foram motivadas por falhas encontradas em fiscalizações feitas pelo órgão. O TCE ainda afirma que a suplementação orçamentária ocorreu de maneira legal em razão de excesso de arrecadação.

O conselheiro Luiz Carlos Novelli diz que só manteve relações institucionais com Silval e repudia as declarações dadas pelo ex-governador à Justiça. Ele afirma que, no período em que esteve na presidência do TCE, não relatou processos do MT Integrado nem tinha poder de voto para modificar qualquer julgamento.

O conselheiro afastado Sergio Ricardo afirma que “as declarações são mentirosas e insanas, motivadas pelo desejo de deixar a cadeia depois de dois anos preso e prejudicar aqueles que de alguma forma atrapalharam o seu esquema criminoso”. Ele afirma que atuou no TCE, até ser afastado, “realizando julgamentos absolutamente técnicos e em estrita observância das normas legais”.

O ministro Blairo Maggi diz lamentar os ataques que tem recebido e afirma que vai se defender e provar na Justiça que as declarações dadas por Silval são infundadas.

 

Fonte: http://olivre.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize