25/05/2024

Maluf diz que não foram apresentadas provas e nega participação

Ministério Público ofereceu denúncia por organização criminosa, corrupção passiva (20 vezes) e obstruir investigações

 

O deputado estadual Guilherme Maluf negou envolvimento com o caso de corrupção na Secretaria de Estado de Educação (Seduc) investigado na Operação Rêmora. O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia contra o deputado pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva (20 vezes) e por obstruir as investigações.

O parlamenta afirmou, por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa, que recebeu com estranheza a denúncia do Núcleo de Ações de Competências Originárias (Naco-criminal). De acordo com Maluf, não foram apresentadas provas contra ele durante as investigações da Rêmora.

Um esquema para desviar dinheiro da Seduc teria sido montado com a formação núcleos de lideranças – do qual Maluf faria parte, agentes públicos, operações e de empresários. O objetivo era fraudar licitações e contratos de obras em escolas públicas do Estado com a solicitação e o recebimento de propina.

“O deputado Guilherme Maluf reafirma que não tem envolvimento com qualquer possível irregularidade ocorrida na secretaria de Educação e que confia na justiça, onde comprovará sua inocência”, escreveu o deputado.

Para o MPE, Maluf seria, ao lado do ex-secretário Permínio Pinto Filho e do empresário Alan Malouf, um dos chefes ocultos do esquema. O empresário Giovani Guizardi, que fechou acordo de colaboração premiada, seria um “testa de ferro” das lideranças na operação dos desvios.

Maluf diz que forneceu ao MPE todas as informações solicitadas e continua à disposição para qualquer esclarecimento.

Obstrução da Justiça
Na denúncia oferecida pelo Naco, além de Guilherme Maluf, o segurança Milton Flávio de Brito Arruda também foi denunciado. Segundo o Ministério Público, após a deflagração da primeira fase da Rêmora, a fim de garantir que Giovani Guizardi não revelasse sua atuação aos investigadores, o deputado tentou intimidá-lo, utilizando-se para tanto, o seu segurança que é agente penitenciário do Serviço de Operações Especiais e que, a época do fato, estava cedido à Assembleia Legislativa.

O deputado contesta a tese de ‘embaraçamento’ da investigação ou tentativa de intimidação de qualquer dos acusados e afirma que este é um “argumento falso utilizado por um deles para sair da cadeia”.

 

Fonte: http://olivre.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize