19/04/2024

Estratégia de grupo era incriminar apenas Zaqueu e Gerson

Afirmação é do tenente-coronel José Henrique Soares, principal testemunha das investigações do suposto esquema

 

A estratégia do grupo que supostamente montou um esquema de grampos telefônicos ilegais em Mato Grosso, para barrar as investigações sobre o caso era, se preciso, incriminar o ex-comandante geral da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa, e o cabo Gerson Corrêa Júnior, os primeiros a serem presos quando o caso veio à tona.

A afirmação é do tenente-coronel José Henrique Soares, em depoimento à Polícia Civil ao qual a TV Centro América, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso, teve acesso. Segundo José Henrique, a orientação era evitar a todo custo a prisão preventiva do coronel Airton Siqueira Júnior, ex-secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos. Caso contrário, o grupo todo ficaria “enfraquecido”.

“A determinação foi a seguinte: a prisão preventiva do coronel Siqueira jamais poderia acontecer porque, se isso acontecesse, o grupo iria ficar fragilizado. Ele não mencionou os nomes, mas quando falou do coronel Siqueira, falou da Secretaria de Segurança Pública e houve uma menção do Paulo [Taques], eu já sabia que a coisa era grande”, disse.

José Henrique Soares é a principal testemunha dos inquéritos sobre o caso. A pessoa que, segundo ele, passou essa determinação foi o major da Polícia Militar Michel Ferronato, preso em setembro durante a deflagração da Operação Esdras.

O major foi descrito pelo tenente como o “mediador” do acordo que o grupo responsável pelos grampos pretendia firmar com ele: conceder a ele uma promoção ao cargo de coronel em troca de gravações em áudio e vídeo do desembargador Orlando Perri – que conduzia as investigações no Tribunal de Justiça –, a fim de afastá-lo do processo. Hoje, o caso está sob a responsabilidade do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Além de Ferronato e Siqueira, foram presos na operação Esdras o ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, o ex-secretário da Casa Militar, Evandro Lesco, sua esposa Helen Lesco, e o ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

Soares disse ter tido contato com todos, exceto Rogers Jarbas. Ele deduziu a participação do ex-secretário, no entanto, porque, na semana em que Lesco teria lhe passado uma série de orientações sobre como agir para incriminar Perri, um inquérito foi aberto contra Rogers sob a acusação de tentativa de obstruir as investigações.

Já Paulo Taques foi advogado do tenente em um processo sem qualquer ligação ao caso dos grampos. Informações fornecidas por ele ao ex-secretário na ocasião, entretanto, teriam sido usadas pela esposa de Lesco para coagi-lo a participar do suposto esquema. “Informações que poderiam me comprometer. Minha carreira poderia ser completamente descontruída”, afirmou.

 

Fonte: http://olivre.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
CNH

Powered by WP Bannerize