18/06/2024

Delegada diz que ouviu interceptações da ex-amante de Paulo

Alana Cardoso disse que dividiu trabalho de ouvir interceptações com Stringueta

A delegada Alana Cardoso presta depoimento na tarde desta segunda-feira (26) na ação penal que apura os crimes militares relativos ao esquema de interceptações clandestinas que operou no Estado.

 

Ela afirmou que chegou a ficar responsável por ouvir as conversas captadas no celular da publicitária Tatiana Sangalli (ex-amante do ex-secretário Paulo Taques), enquanto o delegado Flávio Stringueta ouvia as interceptações de outros alvos.

 

A audiência é conduzida pelo juiz Murilo Mesquita, da 11ª Vara Criminal de Cuiabá. Alana chegou a pedir para não ser ouvida, sob o argumento de que já é investigada em procedimento sigiloso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o Conselho de Sentença – formado pelo juiz e por quatro coronéis – rejeitou o requerimento.

 

São réus do esquema o ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa; os coronéis Evandro Alexandre Lesco e Ronelson Barros, ex-chefe e ex-adjunto da Casa Militar, respectivamente; o coronel Januário Batista; e o cabo Gérson Correa Júnior.

 

O esquema funcionava por meio da tática de “barriga de aluguel”, quando números de pessoas que não têm qualquer relação com investigações policiais são inseridos de maneira disfarçada – sob outras identificações –, em pedidos de quebra de sigilos telefônicos feitos à Justiça.

 

Na investigação, Alana foi citada por ter participado da Operação Forti, ocasião em que foram incluídos indevidamente nos pedidos de interceptação de pessoas ligadas ao ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques: Tatiana Sangalli Padilha (ex-amante) e Caroline Mariano dos Santos (ex-assessora).

 

Ela também denunciou ter sido interrogado de forma ilegal pelo então secretário de Estado de Segurança Pública, Rogers Jarbas, que é investigado por ter tentado atrapalhar as investigações. Segundo ela, o objetivo de Rogers era obter informações para atingir o promotor de Justiça Mauro Zaque – ex-secretário de Segurança e autor da denúncia sobre a existência de grampos em Mato Grosso.

 

Delegada evita detalhes (atualizada às 15h24)

 

O advogado Thiago Abreu, que faz a defesa do cabo Gérson Correa, perguntou se foi pedida a interceptação de Tatiana Sangalli e Caroline Mariano na Operação Forti. Porém, a delegada preferiu se reservar ao direito de ficar em silêncio.

Nós trabalhamos juntos: o Dr. Flávio acompanhou uns números e eu outro. Eu ouvi na primeira semana a Tatiana Sangalli

 

A defesa também questionou se houve a chamada Operação Pequi, que teria dado continuidade às interceptações da Forti.

 

“Esta pergunta faço questão de responder. Isso não aconteceu desta maneira. O que houve foi de conduta minha. Eu pedi para a equipe técnica da Coordenadoria de Inteligência Tecnológica que me informasse se havia alguma forma de preservar alguns números para que fosse direcionados nas listas. Porque tecnicamente o que eu sei é o que interessa na parte operacional, porque eu sempre trabalhei como usuária. Quando uma operação ela é implantada, todos os analistas tem acesso a todos os numeros, então por questão de zelo, eu pedi que prevervasse, para que somente alguns analistas tivessem acesso”.

 

“A solução técnica só descobri depois que a investigação iniciou. Eles me disseram que tinha uma solução e fizeram assim, assim e assim… a equipe técnica são servidores da Diretoria de Inteligência”.

 

Ouviu interceptações com delegado (atualizada às 15h38)

 

Alana afirmou que trabalhou em conjunto com o delegado Flávio Stringueta na Operação Querubim. Essa operação investigou a suspeita de que Tatiane Sangalli estaria envolvida com o ex-chefe do crime organizado no Estado, João Arcanjo, e que a dupla estaria tramando contra o governador PedroTaques, com a ajuda de Caroline Mariano.

 

Posteriormente, Stringueta afirmou ter descoberto indícios de que a história teria sido inventada por Paulo Taques para poder grampear a ex-amante e a assessora.

 

“Eu e o Dr. Flávio trabalhamos em conjunto, pois era muito perigoso pra nós e era um assunto muito sério. Era uma ameaça ao governador Pedro Taques, ele havia acabado de tomar posse, e qualquer atentado contra ele seria algo que abalaria tudo”.

 

A delegada disse que ela e Stringueta, na primeira quinzena das investigações, dividiram os trabalhos de ouvir as conversas dos alvos.

 

“Nós trabalhamos juntos: o Dr. Flávio acompanhou uns números e eu outro. Eu ouvi na primeira semana a Tatiana Sangalli”.

Ela [Selma] fala que eu era subordinada ou ligada ao secretário, o que não era verdade, e o teor daquele ofício me chocou. Eu era subordinada ao Dr. Adriano Peralta

 

“Eu só acompanhei o áudio nos primeiros dias, quando ainda estávamos sob o entendimento de que havia uma ameaça à integridade física do governador e do chefe da Casa Civil. A partir do momento que vi que não havia, eu falei para o Dr. Flávio que não ia mais acompanhar, porque eu estava acumulando dois cargos pesadíssimos dentro da Inteligência”.

 

Mais silêncio (atualizada às 16h06)

 

A defesa do coronel Januário Batista questionou o porquê das escutas contra Tatiane Sangalli e Caroline Mariano terem sido estendidas, mas a delegada novamente decidiu ficar em silêncio.

 

Alana afirmou que prefere não falar em razão de as operação Forti e Querubim ainda estarem sob sigilo.

 

“Chocada” (atualizada às 16h13)

 

Alana relatou que após o esquema dos grampos ter vindo à tona, no ano passado, foi atacada até pelo então secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas.

 

“Eu contei 22 reportagens sobre isso, aí entrei em contato com a Dra. Alessandra Saturnino, porque estávamos sendo acusadas de fatos horríveis, e nós procuramos o Dr. Mauro Zaque para entender o que estava acontecendo”.

 

“Eu fiquei chocada, isso causou uma devassa na minha vida pessoal”.

 

A delegada questionou o teor do ofício da juíza Selma Arruda, em que era apontada uma suposta relação de subordinação dela com Mauro Zaque.,

 

“Ela [Selma] fala que eu era subordinada ou ligada ao secretário, o que não era verdade, e o teor daquele ofício me chocou. Eu era subordinada ao Dr. Adriano Peralta. Eu ocupei uma função de diretora de Inteligencia e eu nem via o secretário de Segurança, imagina os demais”.

 

Alana disse não se lembrar do que conversou com o promotor Mauro Zaque quando foi pedir auxílio. Ela criticou o fato de ter sido coagida a prestar depoimento a Rogers Jarbas.

 

“Eu fui pega tão desprevenida, que eu estava até sem advogado, porque eu fui atacada. Eu fui realmente ao Dr. Mauro Zaque pedindo ajuda, para que os meus direitos fundamentais fossem preservados. Fui obrigada a prestar um depoimento, questionada sobre coisas que não sabia, fui rechaçada na imprensa, eu fui atacada, e eu vi que tinham também o interesse de atacar o Mauro Zaque”.

 

Fonte: http://www.midianews.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
COMBATE A VIOLENCIA

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
COMBATE A VIOLENCIA

Powered by WP Bannerize