14/04/2024

Deputado eleito defende Fethab II e se posiciona contra taxação do agro: “quem vai pagar é o povo”

O deputado estadual eleito por Mato Grosso, Ulysses Moraes (DC), se posicionou contra a taxação do agronegócio no Estado e também defendeu a continuação do Novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab 2). Para ele, caso haja esta burocratização e a imposição de taxas aos empresários, quem “pagará o preço é o povo”.

“Sou um liberal clássico, defendo que a economia seja mais livre. Eu sou contra taxação do agro, comerciantes, pessoas da indústria, entre outros. A partir do momento em que fizermos isto, estaremos desestimulando a economia. O Paulo Guedes [futuro ministro da Economia] disse no evento do Movimento Brasil Livre (MBL) que a intenção do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é não aumentar impostos. Precisamos desburocratizar para gerar mais empregos e mover a economia”, comentou o deputado eleito ao Olhar Direto.

Ulysses ainda se mostrou a favor da renovação do Fethab 2, mas defendeu que a sua administração seja privada: “Os produtores não querem continuar, ressaltamos que a maioria deles tem empresas pequenas e médias. Que deem para a Aprosoja, Ampa, Famato, para que administrem e acabem com o desvio de finalidade. Se este fundo é para estrada e habitação, que assim seja. A forma que vejo isto é tirar da administração do Estado. O primeiro Fethab teve desvios e foi usado para pagar folha de pagamento”.

“Acredito que estas administrações privadas serão o caminho. Eles são os maiores interessados de que a logística seja boa, portanto, o investimento será feito em asfalto. Você não vai desviar o dinheiro disto para outros fins, sendo que isto te prejudicaria. Não vai ficar penduricando pessoas dentro da empresa e usando o montante para folha de pagamento”, acrescentou o parlamentar eleito.

O deputado ainda crê que boa parte de outros produtos poderão ter aumento sem seus valores se houver a taxação: “Quem vai pagar é o povo. Se aumenta a taxação na empresa de leite, o leite vai ficar mais caro. Não adianta pensar que o dono vai abraçar esta dívida. Quem paga mais imposto no Brasil é quem recebe até três salários mínimos. Qualquer tipo de burocratização, eu sou contra. São sempre os mais desprivilegiados que pagam o preço. É uma grande ilusão falar que reduzir tributo irá diminuir a arrecadação. Tivemos experiência em vários países. Quando se reduz, muitos acabam entrando na legalidade”.

Em Mato Grosso, os produtos destinados à exportação, os chamados primários, não pagam Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) há 22 anos, quando o governo federal criou a Lei Antônio Kandir, em 1996.

Conforme o último levantamento divulgado pela Secretaria de Estado de Fazenda, mais de 1.700 empresas são beneficiadas por incentivos fiscais em Mato Grosso. Segundo a Sefaz, a renúncia registrada na Lei Orçamentária Anual de 2018 é de R$ 3,5 bilhões.

Dentro desse valor estão previstos, por exemplo, R$ 1,9 bilhão de incentivos concedidos via Prodeic (Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso) e Investe Indústria, que são os maiores programas de incentivos do Estado e estão incluídos nas renúncias programáticas. O remanescente do montante está relacionado a outras renúncias programáticas e renúncias provenientes de Leis, Regimento do ICMS (RICMS) e outros convênios.

A Assembleia Legislativa irá realizar nesta quinta-feira (29) uma audiência pública com o objetivo de debater a taxação do agronegócio em Mato Grosso. A discussão foi solicitada pelo deputado estadual Wilson Santos (PSDB) e está marcada para as 14h30 no auditório Deputado Milton Figueiredo.

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize