15/06/2024

TJ cita “ficha limpa” e liberta empresária que atropelou jovem em MT

(Por: Suelen Alencar)

O desembargador Orlando Perri concedeu habeas corpus à empresária Jackeline Leão Southier, 25 anos, condutora de uma Hilux que atropelou e matou o jovem de 18 anos Rodrigo Bem Fica Pipi, no domingo (13), em Tangará da Serra (251 Km de Cuiabá). A decisão desta quarta-feira (16) dá a Jackeline à condição de responder pelo crime em liberdade. A soltura deve ser cumprida nesta quinta-feira (17).

No documento, o desembargador não refuta as provas apresentadas, mas aponta que a empresária  pode apenas cumprir medidas cautelares. “Não há qualquer fundamento concreto no sentido de que a liberdade da ré implicará em entrave, de qualquer ordem, para o desenrolar da instrução criminal ou aplicação da lei penal. Neste viés, a meu ver, nada obsta a substituição de sua prisão preventiva por outras medidas cautelares, até mesmo porque, se, ao final, for condenada, possivelmente cumprirá a reprimenda em regime mais brando que o fechado”, diz trecho da decisão.

O acidente ocorreu na madrugada de domingo (13), assim como a prisão da empresária que recusou fazer o teste do etilômetro. Porém, o exame clínico confirmou que ela apresentava taxa de alcoolemia acima do permitido pela legislação. A empresária foi presa. Ela passou por audiência de custódia na segunda-feira e o juiz de Tangará da Serra decretou sua prisão preventiva.

Para Perri a prisão preventiva foi devido à gravidade do delito, homicídio decorrente de acidente de trânsito sob o efeito de álcool. Ele, porém, destacou que a suspeita não possui nenhum outro registro criminal, podendo a prisão ser substituída por outras medidas.

“Analisando a decisão que decretou a prisão preventiva da paciente, verifico que ela se deu tão somente em decorrência da gravidade abstrata do delito perpetrado – homicídio decorrente de acidente de trânsito, qualificada pela condução sob a influência de álcool –, sem indicação de elementos concretos existentes nos autos a recomendar a constrição máxima.  A propósito, em consulta ao Sistema de Acompanhamento Processual – SIAP, não se constatou a existência de outros registros criminais, o que deve ser sopesado em benefício da acusada” complementa o desembargador.

Entre as medidas cautelares impostas a empresária, está o recolhimento da CNH dela, a proibição de deixar sua residência a noite e aos fins de semana, bem como de frequentar bares na cidade de Tangará da Serra. Jackeline também só pode deixar o município com autorização judicial.

Uma câmera de segurança mostra o momento do acidente, em que Jackeline não para  no cruzamento da via e atinge o motociclista. O jovem voltava do trabalho, um hotel do centro da cidade, e morreu na hora.

Jaqueline foi indiciada por homicídio culposo, com a alteração do artigo 302 do Código Brasileiro de Trânsito, a pena ficou mais rigorosa sendo agora de cinco a oito anos de reclusão, mas não na definição para homicídio doloso ou culposo pelo fato de estar embriagado.

Fonte: www.folhamax.com

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
VOTO CONSCIENTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
VOTO CONSCIENTE

Powered by WP Bannerize