Como imagens seriam de adolescentes, vítimas são ameaçadas de responder por pornografia infantil. Pelo menos cinco casos são investigados pela Polícia Civil

Gabriel Renner / Agência RBS

Um convite de amizade pelas redes sociais e o início de uma troca de mensagens. O tempo passa e as conversas chegam ao envio de fotografias íntimas, popularmente conhecidas como nudes. Nesse momento, a sedução dá lugar às ameaças e à extorsão. Esses são os principais passos de um golpe investigado pela Polícia Civil no Rio Grande do Sul. Entre os alvos estão homens, preferencialmente casados, com média de idade entre 40 a 50 anos.

Os investigadores acreditam que desde o início do contato quem envia as mensagens é um estelionatário. Ele se passa por uma jovem atraente e usa um perfil falso nas redes sociais. Suspeita-se que são enviados pedidos de amizades para vários possíveis alvos do golpe. Aqueles que aceitam a solicitação, em um segundo momento, passam a ser vítimas da extorsão.

1 Golpistas utilizam perfis falsos de

mulheres jovens em redes sociais para

atrair as vítimas.

Tem início a troca

de mensagens.

2  Após a primeira conversa, a suposta mulher pede

o número do celular

da vítima. Os dois passam a se comunicar pelo WhatsApp.

3 Passando-se pela jovem, o estelionatário convence a vítima a trocar fotos íntimas.

4 Com outro número, um segundo criminoso entra em contato com

a vítima e passa a se identificar como o pai da menina, que seria adolescente. Há versões do golpe em que o estelionatário diz ser advogado ou delegado.

5 Esse segundo estelionatário exige uma quantia da vítima.

A ameaça é de que, caso

ela não faça o pagamento,

responderá por

pornografia infantil.

 

Durante a conversa, o golpista pede outros contatos, como número de celular. Por aplicativos de mensagens, como WhatsApp, segue a conversa. O estelionatário sugere a troca de fotografias com imagens íntimas. É neste momento que a trapaça chega à etapa  que envolve ameaças.

— A prática criminosa busca extorquir valores que chegam até R$ 5 mil de vítimas desavisadas — afirma o delegado Ayrton Figueiredo Martins Júnior, responsável pela delegacia de Portão.

No município do Vale do Sinos foram registrados cinco casos desse golpe no período de 10 dias no mês de maio. Depois de convencer a vítima a trocar fotos íntimas, um homem entra em contato com o alvo. Por telefone, apresenta diferentes identificações. Pode-se dizer pai da jovem, advogado ou mesmo delegado, que estaria investigando o caso.

Quando se identifica como pai, o golpista alega que descobriu o relacionamento e que a filha é menor de 18 anos. Ele ameaça que vítima responderá por pornografia infantil. Diz que irá até a polícia. O golpista exige uma quantia em dinheiro para não “denunciar” o suposto crime.

Em alguns casos, o estelionatário afirma que o homem será processado ou preso (quando se identifica como advogado ou policial). Outra tática dos criminosos mira alvos casados. O golpista ameaça expor as fotografias e a troca de mensagens para a esposa da vítima. É uma forma de tentar convencer os alvos a depositarem os valores exigidos.

A extorsão se inicia com pedidos de valores mais baixos que vão aumentando com o passar dos dias. Nos cinco registros feitos em Portão, nenhuma das vítimas chegou a fazer o depósito. Antes disso, as pessoas extorquidas procuraram a polícia e registraram a ocorrência. Então, foram informados que estavam sendo alvos de golpe.

Mensagens de dentro da prisão

Uma das suspeitas investigadas pela polícia é que por trás dos perfis das jovens estejam presidiários. Seria mais uma forma de os criminosos conseguirem acesso a valores mesmo atrás das grades. Estelionatos e extorsões cometidos de dentro de prisões não são novidade. O “falso sequestro”, no qual os estelionatários alegam estar com um familiar da vítima e também exigem o depósito de valores de contas bancárias, é outro golpe que costuma ser cometido por presos, segundo a polícia.

— As investigações estão em andamento, mas não descartamos que alguns autores estejam dentro do sistema prisional — diz o delegado Martins Júnior.

Apesar de o crime ter sido registrado no mesmo município, nos cinco casos, os perfis falsos das jovens eram diferentes. Em todos eles, o primeiro contato foi feito a partir de um celular com prefixo da área 51. Para o delegado, embora as vítimas não tenham chegado a repassar o valor aos golpistas, trata-se de extorsão:

— Considero consumada diante da exigência de valor pecuniário mediante grave ameaça — analisa.

Até o momento, os autores do golpe não foram identificados. Conforme o policial, a investigação aguarda a quebra de sigilos, por meio de ordens judiciais.

Como não cair no golpe:

  • Evite iniciar conversas por meio de aplicativos de mensagens com perfis desconhecidos.
  • Não troque fotografias, que possam ter conotação íntima, por meio de aplicativos, como WhatsApp ou Messenger.
  • Evite conversas por meio de aplicativos com prefixo telefônico desconhecido.
  • Não faça depósitos, transferências ou pagamentos para desconhecidos.
  • Se for vítima de algum golpe ou de tentativa de abordagem desse tipo, procure a polícia e registre ocorrência.

 

 

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/seguranca/noticia/2019/06/golpe-dos-nudes-criminosos-extorquem-homens-apos-enviar-fotos-intimas-de-jovens-cjwuwk1z300uc01p6iaa0icz7.html