A Uber pagou centenas de milhares de dólares a acadêmicos de alto nível na Europa e nos EUA para produzir relatórios que pudessem ser usados como parte da campanha de lobby da empresa.

(por Pedro Pinto de Oliveira – Com The Guardian)

Reprodução

Em pleno contexto de negacionismo, com ataques à ciência e aos cientistas, alguns “acadêmicos de aluguel” reforçam a descrença no trabalho da academia em favor da sociedade. São prestigiados professores de universidades que lucram atendendo aos interesses comerciais de empresas que pagam pelas suas ideias postas à venda.

Esse é o escândalo do momento envolvendo relações espúrias entre empresas privadas e academia: a empresa Uber pagou somas altíssimas para alguns acadêmicos por pesquisas para alimentar a mídia em favor do seu modelo de negócio.

Professores de alto nível na Europa e nos EUA foram engajados como parte da campanha de lobby, mostra vazamento de dados revelados na edição desta terça-feira (12/7) do jornal inglês The Guardian.

A Uber pagou centenas de milhares de dólares a acadêmicos de alto nível na Europa e nos EUA para produzir relatórios que pudessem ser usados como parte da campanha de lobby da empresa.

Os arquivos da empresa Uber, milhares de documentos confidenciais vazados para o The Guardian, revelam acordos lucrativos com vários acadêmicos importantes que foram pagos para publicar pesquisas sobre os benefícios de seu modelo econômico. Os relatórios foram encomendados enquanto a Uber lutava com reguladores nas principais cidades do mundo.

Economistas universitários foram visados na França e na Alemanha, onde a aplicação das autoridades foi cada vez mais feroz em 2014 e 2015.

Um relatório de um acadêmico francês, que pediu uma taxa de consultoria de 100 mil euros foi citado em um relatório do Financial Times de 2016 como evidência de que o Uber era uma “rota para fora dos subúrbios franceses”, encantando os executivos do Uber.

A conferir qual será a reação das instituições e dos pares desses acadêmicos de aluguel sobre a revelação dessa venda de ideias a favor de um tipo de exploração comercial.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: https://www.pnbonline.com.br/geral/uber-pagou-a-acada-micos-de-aluguel-por-ideias-a-favor-do-seu-modelo-de-nega-cio/85668