Angelo Varela/AL-MT

O presidente do Partido Socialista Brasileiro de Mato Grosso (PSB), deputado Max Russi, cobrou celeridade nas investigação a respeito da prisão de 5 homens que arquitetavam uma ação criminosa contra o comitê da candidata a vereadora por Cuiabá Edleuza Mesquita, correligionária do deputado.

Conforme noticiado pelo portal , os suspeitos foram presos na madrugada desta quinta-feira (12) com armas no bairro Jardim Vitória, em Cuiabá. Informações iniciais apontam que o grupo, do qual três membros são policiais militares, estaria planejando roubar o comitê da candidata.

Em nota oficial, o PSB afirmou que nenhum dos 38 candidatos da sigla que disputam vaga na Câmara Municipal de Cuiabá têm dinheiro em espécie para a campanha. Isso se deve ao fato que todos os pagamentos das atividades eleitorais são feitos por transferência ou via emissão de cheques.

Além da manifestação do partido, o Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de Mato Grosso (Sinpol-MT) também emitiu nota sobre o caso. No comunicado, a instituição cobrou ações mais efetivas da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) quanto ao ocorrido.

Na nota, o atual presidente do Sinpol, Glaucio Castañon, requereu esclarecimentos sobre o caso a fim de verificar se a ação planejada era para realização de roubo ou execução da candidata – que também é investigadora da polícia.

Confira as notas a seguir.

Nota do PSB: “O Partido Socialista Brasileiro de Mato Grosso (PSB-MT) vem a público lamentar o episódio que resultou na prisão de cinco suspeitos que realizariam um assalto ao comitê da candidata a vereadora por Cuiabá, Edleuza Mesquita. O presidente da sigla e também deputado estadual, Max Russi, já cobrou das autoridades competentes celeridade na investigação do caso. Conforme divulgado na imprensa na manhã desta quinta-feira (12), cinco membros de uma quadrilha , entre eles três policiais, foram presos pelo Batalhão  de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam). De acordo com informações divulgadas na imprensa, a Polícia divulgou que os bandidos planejavam um roubo no local. O PSB-MT informa que, nenhum dos 38 candidatos a vereador da sigla possuem dinheiro de campanha em espécie, todos os pagamentos seja ele a fornecedores ou prestadores de serviços, são realizados através de transferências bancárias ou cheques, segundo preconiza a legislação eleitoral, como forma de evitar fraudes”.

Nota do Sinpol: “O Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de Mato Grosso torna público a indignação e repúdio ao suposto plano de roubo no comitê da candidata à vereadora Edleusa Mesquita. Como se sabe, Edleusa é investigadora de polícia e vem trabalhando com propostas e serviços prestados, não fazendo uso de dinheiro no seu comitê, toda sua campanha está no site do TRE. O presidente do Sindicato em exercício Glaucio Castañon está cobrando providências da Gerência de Combate ao Crime Organizado- GCCO para que se esclareça,  se era roubo ou uma armação para executar a candidata  que é Presidente do Sindicato dos Investigadores Licenciada”.

 

 

 

 

FONTE: https://www.gazetadigital.com.br/editorias/policia/aps-priso-de-quadrilha-psb-cobra-celeridade-em-investigao/635403