“Bivar acha que manda no partido, e não manda”, afirma vice-presidente do PSL em MT

Por mais que tente amenizar a crise nacional que se instalou no PSL entre grupos bolsonaristas e os ligados a Luciano Bivar, o vice-presidente do partido em Mato Grosso, deputado estadual Silvio Favero, não esconde que está mais próximo do presidente da República nessa disputa interna.

“Eu até vi uma frase: ‘o povo brasileiro não é PSL, é Bolsonaro’, mas veja bem, todo candidato precisa ter um partido e o PSL é forte”, declarou Fávero, em entrevista concedida na última terça-feira (15), dia que a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Bivar, em investigação a esquema de laranjas na campanha de 2018.

De acordo com o deputado, se a investigação provar que houve irregularidade eleitoral de responsabilidade de Bivar, o atual presidente do PSL pode ser afastado da direção partidária. “Tudo pode acontecer”, conjecturou. “Vamos deixar bem claro, se houve alguma irregularidade do PSL, do nosso presidente, quem vai arcar é ele. Obviamente existe o nosso estatuto e vai ser penalizado”.

Favero revela que se reuniu recentemente com o deputado federal por São Paulo Eduardo Bolsonaro e que ouviu do filho do presidente que a intenção é se manter no partido, apesar de Bivar “querer mandar” na legenda.

“A última vez que eu conversei com o presidente, há uns 15 dias, inclusive, eu conversei com o filho dele, Eduardo, não há nada disso [de mudança de partido] por enquanto. O que ele me passou é que todo casamento tem crise, e tão querendo arrumar uma outra coisa ou outra mulher para o nosso presidente e pelo que o filho dele me passou, não tem nada disso”, garantiu.

“Há um descontentamento do nosso presidente junto com o Bivar porque o Bivar acha que manda no partido, e não manda. O partido tem que ser a união de todos. Então esse está sendo um desentendimento que é normal. Era um partido pequeno e se tornou o segundo maior partido no Brasil. Então eu acho que está faltando um pouco mais de amadurecimento de todos, não só do Bivar, mas também do presidente, dos presidentes estaduais, é normal”, completou.

Apesar do racha explícito, Favero afirma que a estrutura partidária em MT não foi atingida pela crise. “Aqui para nós não está refletindo em nada”. “O PSL continua firme, eu sou vice-presidente do estado, Barbudo é o presidente e continuamos fortes”.

 

 

Fonte: https://www.olhardireto.com.br/