O deputado estadual Pedro Satélite (PSD) chamou de mentirosa a acusação do ex-deputado José Riva de que ele e outros 33 parlamentares teriam recebido uma espécie de “mensalinho” para apoiar a gestão do então governador Blairo Maggi (PP).

Durante a sessão de terça-feira (04), o parlamentar afirmou que nunca ofereceram qualquer tipo de pagamento ilícito a ele enquanto esteve na Assembleia.

Satélite ainda pediu uma comparação entre sua ficha criminal e a do ex-deputado José Riva, que já foi classificado como o parlamentar com a maior “ficha corrida” do País.

“Não compactuo e jamais vou compactuar com qualquer questão ilícita, seja na vida particular ou pública. Não aceito e nunca dei liberdade para alguém vir me oferecer algo ilícito. Nunca em minha vida alguém me denunciou em algo, essa é a primeira vez e isso é muito ruim. Mas comparem a minha ficha com a daquele que denuncia. Isso já diz tudo”, afirmou.

Nunca em minha vida alguém me denunciou em algo, essa é a primeira vez e isso é muito ruim. Mas comparem a minha ficha e com aquele que denuncia

Satélite ressaltou não responder a nenhum processo e que isso conta muito a um político com mais de quatro mandatos. A reportagem verificou o sistema de processos do Tribunal de Justiça e, de fato, o parlamentar não responde a processos por improbidade administrativa ou crimes contra a administração.

O deputado ainda pediu uma comparação entre sua conta bancária e a do ex-colega.

“Quando entrei na politica tinha 10 vezes mais capital declarado do que tenho agora. Vejam o histórico do que tinha e o que tem hoje também quem acusa. Então é uma mentira e desafio que trague provas”, disse.

Por fim, Satélite afirmou nunca ter ouvido falar de colegas que recebiam o suposto mensalinho. Mas que no período da gestão de Riva no Legislativo, havia o “alto e o baixo clero”.

“Nunca ouvi falar de mensalinho, mensalão ou qual seja o nome que estão dando. O que existia aqui era que o Riva era o poderoso da Assembleia e tinha o baixo clero e dois ou três que comandavam. Na gestão do Guilherme Maluf as coisas mudaram. Todos os 24 são tratados de igual para igual”, afirmou.

“Então, lamento por esta casa e espero que tudo seja provado ou não, porque não pode continuar desse jeito. É ruim para o Parlamento, ruim para todos os deputados”, completou.

As acusações

O ex-deputado estadual José Riva revelou que os governos do falecido Dante de Oliveira, do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi e de Silval Barbosa (PMDB), pagavam propinas milionárias para deputados, no intuito de ter o apoio deles na Assembleia Legislativa.

Apenas de 2005 a 2008, segundo Riva, o governo de Blairo teria repassado um total de R$ 37,5 milhões a boa parte dos deputados à época. Para executar os repasses ilegais, de acordo com Riva, o Executivo suplementava os valores que deveria repassar ao Legislativo.

“Nesse período [2003 a 2004] foram movimentados R$ 1,1 milhão. Em 2005 aumentou para R$ 3,4 milhões. Em 2006 foram R$ 6 milhões. Em 2007, quando era presidente o Sérgio Ricardo, R$ 12 milhões. Em 2008, R$ 15 milhões”, disse Riva, que foi ex-presidente da Assembleia por vários mandatos.

Na audiência, ele citou os nomes de 34 supostos beneficiários da propina. Estão na lista: o ex-deputado e ex-governador Silval Barbosa; o ex-deputado e atual conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo; os deputados Mauro Savi, Dilceu Dal Bosco, Pedro Satélite, Guilherme Maluf, Gilmar Fabris, José Domingos Fraga, Wagner Ramos, Adalto de Freitas e Sebastião Rezende; o ex-deputado e atual secretário adjunto da Casa Civil, Carlos Brito; o ex-deputado e atual conselheiro do TCE, Campos Neto; os ex-deputados Nilson Santos, Airton Português, Eliene Lima, Maksuês Leite, Ademir Bruneto, João Malheiros, Zeca D’Ávila, Nataniel de Jesus, Antônio Brito, José Carlos de Freitas, João Malheiros e Renê Barbour; o ex-conselheiro do TCE Alencar Soares; o ex-deputado e ex-secretário de Educação, Carlão Nascimento; o ex-deputado e ex-prefeito de Várzea Grande, Wallace Guimarães; o ex-deputado e ex-conselheiro do TCE, Humberto Bosaipo; o ex-prefeito de Sinop, Juarez Costa; o ex-prefeito de Rondonópolis e ex-deputado Percival Muniz; o ex-deputado e ex-prefeito de Cuiabá, Chico Galindo; a ex-deputada e ex-vereadora Chica Nunes e o já falecido ex-deputado Walter Rabello.

 

Fonte: http://www.midianews.com.br/politica/comparem-minha-ficha-criminal-com-a-do-riva-diz-deputado/292783