OConsórcio VLT emitiu nota, nesta terça (29), na qual critica declarações do governador Mauro Mendes (DEM), que vem afirmando que as empresas são culpadas pela paralisação das obras e que são “inidôneas”. Em publicação nas redes sociais Mauro defendeu a mudança para o Bus Rapid Transport (BRT) e disse que era um “importante passo para acabar com esse pesadelo da roubalheira e da incompetência” do Veículo Leve sobre Trilhos.

Mauro Mendes

O governador Mauro Mendes anunciou mudança para o BRT e acionou o VLT na Justiça

As empresas CR Almeida, CAF Brasil Indústria, Santa Bárbara Construções, Magna Engenharia e Astep Engenharia integram o consórcio que é responsável pela obra que deveria ter sido entregue para a Copa do Mundo de 2014, há seis anos. Na nota, destacam que os problemas relativos às responsabilidades do contrato são discutidos em ações que ainda tramitam na Justiça Federal.

“Nesses processos, o Consórcio VLT expôs dados, fatos, relatórios de auditoria, prestou depoimentos que evidenciam que os atrasos e posterior interrupção das obras não foram ocasionados por ele, bem como se manteve à disposição para a construção de um acordo capaz de viabilizar a finalização e entrega do VLT para uso da população”, afirmam as empresas.

Na sexta (25), o juiz Bruno D’Oliveira Marques, durante o plantão do Judiciário, acatou pedido de liminar do Governo do Estado para bloquear R$ 683 milhões do consórcio para garantir eventual ressarcimento por prejuízos com o VLT. Também ordenou que os vagões, sistemas, trilhos e outros materiais sejam levados para a Espanha e vendidos pelas empresas.

O contrato foi rompido ainda no Governo Pedro Taques e a rescisão foi confirmada pela Justiça em mandado de segurança que havia sido movido pelo consórcio.

As empresas afirmam que “vem acompanhando, via imprensa, declarações emitidas pelo governo do Estado acerca do VLT e do contrato de implantação do modal”. Registram ainda que o consórcio “não foi citado da existência de qualquer nova ação judicial e tampouco notificado dos termos de qualquer decisão judicial sobre o assunto, muito embora refute desde logo as declarações do senhor governador de que as empresas que o integram sejam inidôneas – o que não corresponde à verdade”.

 

 

Fonte: https://www.rdnews.com.br/executivo/consorcio-diz-que-nao-tem-culpa-por-paralisacao-do-vlt-e-se-dispoe-a-acordo/138274