O novo procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, destacou, durante discurso de sua posse nesta segunda-feira (06), a quantidade de ex-gestores políticos presos em Mato Grosso por conta de operações do Ministério Público do Estado.

Segundo ele, a quantidade de políticos presos e os que ainda virão a ser alvos de operações seria suficiente para se montar um time de futebol, que disputaria o “campeonato da imoralidade”.

“Em Mato Grosso temos um ex-governador [Silval Barbosa] e vários secretários presos há cerca de um ano e meio por conta do desvio de dinheiro público. Se levarmos em conta os que estão presos, os que estiveram presos e hoje respondem processo em liberdade e os que ainda o serão, infelizmente é tanta gente que dava para montar vários times”, disse.

 

Se levarmos em conta os que estão presos, os que estiveram presos e os que ainda o serão, é tanta gente que dava para montar vários times

“Teríamos aqui vários times para disputar um campeonato: o campeonato da imoralidade, da indecência e da improbidade, com os recursos públicos”, completou.

A classe política também foi alvo da crítica de Curvo em outro momento de seu discurso, ao comentar as regras que o MPE tem que seguir, algumas impostas por meio de deputados e senadores.

“Tal qual no futebol, as regras do jogo que disputamos não são feitas por nós jogadores, são feitas pelos nossos deputados e senadores, pelo Poder Legislativo. E, às vezes, em determinadas partidas, elas formam um jogo tão difícil a ponto da vitória parecer inatingível”, disse.

Curvo citou o projeto de lei que desfigurou o pacote anticorrupção na Câmara Federal. Entre os dispositivos aprovados, havia uma emenda que permitia punir juízes e promotores por crime de responsabilidade. A medida, porém, foi barrada no Senado.

“Isso ocorre muitas vezes, em especial quando enfrentamos corruptos e criminosos do colarinho branco. Parece até que a bola é maior que o gol. Mas nós não desanimamos e continuamos a lutar na defesa da sociedade”, afirmou.

Durante seu discurso, Mauro Curvo usou de metáforas para falar do Ministério Público. Ele associou o órgão a um time de futebol, em que os procuradores e promotores são os jogadores, o procurador-geral de Justiça o capitão e a sociedade os torcedores.

“O time busca seus gols, que á a defesa da sociedade. Sua missão primordial é a defesa da sociedade. Nós defendemos a sociedade no dia-a-dia, quando processamos alguém que comete um crime, quando combatemos a corrupção, quando lutamos pela preservação do meio ambiente e da área da Saúde”, completou.

 

Fonte: http://www.midianews.com.br