O deputado estadual Zeca Viana (PDT), que preside a Frente Parlamentar do Agronegócio na Assembleia Legislativa (AL-MT), criticou a forma como a Polícia Federal conduziu a operação Carne Fraca, deflagrada na última semana e que apurou um esquema de pagamento de propina por parte de frigoríficos a fiscais sanitários.

 

A ação resultou na decretação de 38 mandados de prisão para servidores e executivos de frigoríficos, entre eles JBS e BRF, os dois maiores do Brasil.

 

Uma das principais críticas do parlamentar foi relacionada ao fato de a PF ter apontado como um dos delitos apurados na operação, o uso de ácido ascórbico no processamento dos alimentos.

 

Houve má-fé na forma confusa como o questionamento da sanidade da carne brasileira veio a público no que diz respeito à forma de processamento e exportação

“Há clara tentativa de aterrorizar a sociedade ao lançar informações na mídia e falar da carne e mistura de produtos químicos que são utilizados tecnicamente como conservante, caso do ácido ascórbico, derivado do suco de laranja, e que, por isso, não faz mal à saúde”, disse Zeca, em nota encaminhada à imprensa.

 

“Houve má-fé na forma confusa como o questionamento da sanidade da carne brasileira veio a público no que diz respeito à forma de processamento e exportação”, afirmou.

 

Na nota, o parlamentar também disse que os fatos investigados na operação deveriam ter sido tratados com mais seriedade.

 

Para ele, as observações da PF foram lançadas de qualquer forma na mídia, colocando em xeque a segurança dos alimentos no país.

 

“O caso atinge a imagem dos produtos alimentícios (carnes bovina, suína e aves do Brasil) e esse assunto precisava ser tratado com o respeito e seriedade que merece, e não com fatos jogados na mídia por dirigentes da Polícia Federal”, disse.

 

“Foi uma ação grave e que atinge a segurança dos alimentos no Brasil, negócios de quase 5 mil frigoríficos e mostra a fragilidade e descaso de governantes em não protegerem os cidadãos”.

 

O parlamentar afirmou que rigorosos sistemas de controle de qualidade atestam a confiabilidade da carne brasileira. Prova disso, segundo ele, é o fato de o Brasil exportar o produto para mais de 150 países.

 

Por fim, ele defendeu a punição a todos aqueles que estejam envolvidos com a prática de corrupção.

 

Operação Carne Fraca 

 

Deflagrada na sexta-feira pela  Polícia Federal, a Carne Fraca investiga fraudes em carnes produzidas por 21 frigoríficos, vendidas no Brasil e no exterior.

 

Segundo a PF, fiscais do Ministério recebiam propina para liberar licenças sem realizar a fiscalização adequada nos frigoríficos.

A investigação indica que eram utilizadas substâncias químicas para maquiar a carne vencida, e que água era injetada nos produtos para aumentar o peso.

Leia a nota na íntegra:

“NOTA DE ESCLARECIMENTO

 Sobre a Operação Carne Fraca da Polícia Federal (PF), esclareço à sociedade:

 A qualidade da carne brasileira é aprovada pelo consumidor brasileiro e mundialmente por rigorosos sistemas de controle de qualidade, como o Sistema de Inspeção Federal (SIF), por isso exportamos para cerca de 150 países. O mercado de carnes movimentou R$ 176,6 bilhões em 2016 e emprega 7 milhões de pessoas, sendo 130 mil trabalhadores na JBS e 110 mil na BRF, as duas principais multinacionais brasileiras do setor.

 A agropecuária incorporou ao modo de produção, monitoramento e comércio os anos de pesquisas e inovação do setor do agronegócio. O Brasil é o segundo exportador de carne bovina do mundo, o maior de frango e tem o maior rebanho comercial bovino mundial de 214 milhões de cabeças;

 Houve má-fé na forma confusa como o questionamento da sanidade da carne brasileira veio a público no que diz respeito à forma de processamento e exportação;

 Há clara tentativa de aterrorizar a sociedade ao lançar informações na mídia e falar da carne e mistura de produtos químicos que são utilizados tecnicamente como conservante (caso do ácido ascórbico, derivado do suco de laranja, e que, por isso, não faz mal à saúde);

 Apoio toda investigação da Polícia Federal que esclareça, chegue aos culpados, proteja os cidadão brasileiro e de Mato Grosso da corrupção e puna aqueles que fazem coisa mal feita, pois, como empresário e político, sempre defendo que não podemos jogar sujeira para debaixo do tapete;

 O caso atinge a imagem dos produtos alimentícios (carnes bovina, suína e aves do Brasil) e esse assunto precisava ser tratado com o respeito e seriedade que merece, e não com fatos jogados na mídia por dirigentes da Polícia Federal. Foi uma ação grave e que atinge a segurança dos alimentos no Brasil, negócios de quase 5 mil frigoríficos e mostra a fragilidade e descaso de governantes em não protegerem os cidadãos”

 Frente Parlamentar do Agronegócio

Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT

Coordenador-geral deputado estadual Zeca Viana (PDT-MT)

 

 

Fonte:http://www.midianews.com.br