Breno Pereira é considerado foragido da Justiça e até a manhã desta terça não havia sido localizado

O empresário Breno Alves, acusado de agredir terapeuta: prisão decretada

 

A terapeuta V.O.P., de 39 anos, afirmou, em boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil (nº 2019.136375) ter sofrido violência sexual, além de agressões com socos, mordidas e chutes do seu ex-namorado, o empresário Breno Pereira Alves.

Ela também relatou ter sido mantida em cárcere privado na residência dele, no Bairro Popular, em Cuiabá, nos dias 4 e 5 de maio.

A natureza da ocorrência, no boletim, relata os crimes contra a dignidade sexual; lesão corporal; sequestro e cárcere privado; e injúria.

Breno Alves teve a prisão preventiva decretada e é considerado foragido.

A agredida é filha do ex-secretário de Estado e ex-diretor geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), Luiz Antonio Pagot. Ele foi secretário durante a gestão de Blairo Maggi.

Conforme o boletim de ocorrência, obtido junto a familiares, ela diz que namorou Breno por cerca de um ano e já estavam separados há seis meses.

Neste momento, ele a pegou pelos cabelos a arrastou para o quarto e disse, ‘agora você vai apanhar’

“Agora você vai apanhar”

No dia da agressão, a empresária relatou que foi até a casa de Breno para conversarem e lá os dois mantiveram relação consensual. Após uma conversa, ela afirmou que não voltaria a namorar com ele.

“Ela pediu para ele abrir a porta porque queira ir embora, ele não gostou e começou a acusá-la de não gostar mais dele como antes, e perguntar se ela tinha outra pessoa, ela disse que sim, que a relação dos dois já havia acabado há algum tempo e que do mesmo jeito que ele tinha se relacionado com outra pessoa ela também estava, se referindo à ex-namorada dele”, diz trecho do BO.

Em seguida, o empresário teria se exaltado e passou a agredi-la. “Neste momento, ele a pegou pelos cabelos a arrastou para o quarto e disse, ‘agora você vai apanhar’. Na hora ela pedia ‘não faz isso comigo Breno’, que cada vez que pedia ele ficava mais agressivo e a xingava, que se calou e deixou ele bater, que deu vários tapas pelo corpo dela, chutes nos braços, nas pernas, deu mordidas nas costas dela”.

A vítima ainda diz que, após ser espancada, o homem cometeu violência sexual contra ela. E quando quis embora, ele impediu de sair do local e a manteve em cárcere privado.

Ela relatou que só conseguiu sair, porque uma amiga ligou no seu ceular e o suspeito atendeu, mas  ela gritou pedindo para ligar para o pai dela rastrear o celular. “Que a sua funcionária foi com o filho dela até a casa do suspeito e conseguiu tirá-la”, contou.

Juiz determinou prisão

Na última sexta-feira (17), o juiz Jamilson Haddad Campos, da Primeira Vara da Violência Doméstica de Cuiabá, decretou a prisão preventiva de Breno.

O pedido está nas mãos de um oficial de Justiça para o seu cumprimento e o empresário é considerado foragido da Justiça.

Até a manhã desta terça-feira (21), a reportagem não conseguiu confirmar com a Polícia Civil, se o mandado de prisão já havia sido cumprido.

Veja fac-símile do boletim de ocorrências:

bo

 

Fonte:  https://www.midianews.com.br