Acordo teria sido homologado pelo TRF1 em abril; ele teria revelado detalhes do esquema que desviou R$ 1 bilhão em MT

 

O ex-gerente do BicBanco de Mato Grosso, Luis Carlos Cuzziol, teve acordo de colaboração premiada homologado pelo Tribunal Regional Federal (TRF1), e teria revelado novas informações sobre o esquema de lavagem de dinheiro instalado em Mato Grosso, investigado na Operação Ararath, da Polícia Federal.

A informação foi confirmada ao LIVRE pelo Ministério Público Federal (MPF), que conduziu as negociações. Contudo, a delação encontra-se em sigilo.

Cuzziol foi denunciado em diversas ações da Operação Ararath por gestão fraudulenta de instituição financeira, uma vez que era superintendente do BicBanco em Mato Grosso. Em uma das denúncias, o MPF apontou que teriam sido praticadas diversas operações ilícitas de empréstimos bancários, envolvendo o governo do Estado e terceiros.

Pela participação no complexo esquema, Cuzziol já foi condenado em três ações.

Operação

A Operação Ararath foi deflagrada pela Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal, em novembro de 2013, resultado de investigações contra crimes financeiros no estado, por meio de empresas e factorings. Ao longo dos anos, teve 15 fases, tendo sido a última deflagrada em dezembro de 2017.

Inicialmente, as investigações apontaram que o esquema de lavagem de dinheiro em Mato Grosso teria movimentado R$ 500 milhões. No entanto, ao firmar o acordo de colaboração premiada, o ex-governador Silval Barbosa revelou a transação de uma quantia superior a R$ 1 bilhão.

Balanço apresentado pela Receita Federal em junho de 2018 apontou que as cinco primeiras fases da Operação Ararath resultaram na recuperação de R$ 1,47 bilhão em impostos sonegados, dos quais R$ 431 milhões seriam definitivos.

Entre os delatores que devolveram recursos, estão o empresário Gércio Marcelino Mendonça Junior, conhecido como Junior Mendonça, o ex-governador Silval Barbosa, sua esposa Roseli e seu filho Rodrigo, e seu ex-chefe de gabinete, Silvio Corrêa. Além desses, também é delator na operação o ex-secretário Pedro Nadaf.

 

FONTE: https://olivre.com.br