Lei garante ao governador a possibilidade de extinção da Metamat. No entanto, Estado decidiu pelo enxugamento da sociedade de economia mista

(Por Thiago Andrade, O livre)

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Diário Oficial desta quarta-feira (31) traz a demissão de 47 servidores da Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), sociedade de economia mista, do Governo de Mato Grosso.

Depois da demissão em massa o governo divulgou nota explicando que a Metamat passa por uma reformulação da sua estrutura com o objetivo de “trazer mais eficiência” à sociedade de economia mista.

Segundo o Estado, a meta é economizar R$ 800 mil ao mês, mas o corte trará ainda mais economia: o governo disse que o Conselho de Administração da Metamat, aprovou a redução de 83 funcionários para 36, com o objetivo de manter os serviços oferecidos pela instituição.

Apenas em gastos com pessoal, a Metamat deixará de pagar pouco mais de R$ 1,1 milhão ao mês, e passará a ter uma folha de R$ 300 mil. Ao ano, a economia deve chegar a R$ 10,4 milhões.

O Estado destacou que deve ser feito o desligamento de servidores que não atendam aos requisitos da estabilidade previstos no artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).

“O corte vem ao encontro da nova roupagem que estamos dando à Companhia, que será voltada às demandas de fomento e gestão dos setores de mineração e geologia do Estado”, afirma o presidente da Metamat, Juliano Jorge Boraczynski.

A Metamat prepara um termo de cooperação com a Funasa para serviços de pesquisa e consultoria de poços artesianos em aldeias indígenas e com a Agência Nacional de Mineração (ANM) para fiscalização da produção de minério no estado.

 

 

Fonte:  https://olivre.com.br