Estado ganha reforço na equipe que combate o fogo, que consome o bioma há 20 dias

As queimadas já consumiram 66 mil hectares no Pantanal de Mato Grosso, na região do Poconé

Aproximadamente 66 mil hectares já foram destruídos pelo incêndio de grande proporção que atinge o Pantanal, na região de Poconé (100 km ao Sul de Cuiabá).

Nesta sexta-feira (7), as equipes de combate ao fogo do Estado recebem o reforço do vizinho Mato Grosso do Sul, em apoio às equipes que estão trabalhando no combate às chamas que consomem o bioma há cerca de 20 dias.

De acordo com o Governo do Estado, foi sinalizado o envio de uma força-tarefa para Mato Grosso que ficará à disposição da Coordenação do Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman), com previsão de três helicópteros de médio porte das forças armadas, uma aeronave C130, dez militares do Corpo de Bombeiros do estado vizinho, dez brigadistas do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e dez fuzileiros navais, para se unirem às equipes coordenadas pelo CBM estadual.

Além do incremento das forças federais e de Mato Grosso do Sul, sete equipes terrestres e dois aviões de combate dos Bombeiros de Mato Grosso, uma aeronave do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), maquinários da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e de produtores rurais da região, pessoal e veículos do Sesc Pantanal, além da Prefeitura de Poconé, estarão apoiando essa grande operação.

Na última quarta-feira (5), chegou em Cuiabá a aeronave UH-15 (Super Cougar), da Marinha, para o reconhecimento e alinhamento junto ao Ciman das estratégias de combate no local.

Toda a força-tarefa estará em condições de emprego nesta sexta-feira, no aeródromo do Sesc Pantanal, oportunidade em que será lançada a ‘Operação Pantanal 2’, com o apronto operacional para, em seguida, realizar a distribuição de todas as equipes em campo.

O comandante geral do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, coronel BM Alessandro Borges Ferreira, reforçou que o Estado, por meio das secretarias de Segurança Pública e de Meio Ambiente, já vem trabalhando de forma integrada e apoiando as ações do Ciman e o reforço das Forças Armadas e do Mato Grosso do Sul possibilitará a otimização dos recursos para o êxito na extinção do incêndio.

O local é de difícil acesso, inclusive, para pouso e decolagem de avião.

Ontem, o Corpo de Bombeiros informou que a estruturação de uma base avançada de combate aéreo, a qual foi definida colocar em um ponto mais próximo das frentes de incêndio localizadas no setor sul da Reserva Particular do Patrimônio Natural do Sesc Pantanal, a princípio prioritária.

“Com isso, a distância da pista de pouso até as frentes de incêndio, localizadas a norte da unidade de conservação, perfaziam duas milhas náuticas (cerca de 4 quilômetros), favorecendo a efetividade ações aéreas”, disse o comandate.

Após a estruturação da 2ª base avançada para apoio aéreo, a tripulação realizou lançamentos de agente extintor água para auxílio das equipes terrestres, bem como a realização de um monitoramento para estabelecimento de novas estratégias de combate.

“É importante destacar que houve a mudança da direção do vento no final da tarde para leste, o que colaborou para que as frentes de incêndio localizada a norte da RPPN do Sesc Pantanal, não adentrasse na unidade de conservação”, afirmou.

 

 

Fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/ambiente/incendio-ja-destruiu-66-mil-hectares-no-pantanal-de-mato-grosso/537408