O juiz da 55ª Zona Eleitoral, Gonçalo Antunes de Barros Neto, decretou a inelegibilidade da ex-senadora Serys Slhessarenko por um período de oito anos. A decisão também anulou todos os votos da coligação “Cuiabá Levada a Sério” e determinou a redistribuição deles para outros candidatos que disputaram vagas ao cargo de vereador. Com isso, a composição da Câmara de Cuiabá pode ser alterada.

A sentença acatou denúncia do Ministério Público que apontou fraude na composição da lista de candidatos a vereador da coligação “Cuiabá Levada a Sério”, composta pelos partidos PRB e PTN. Depoimentos de testemunhas revelam que, pelo menos, uma candidata da coligação à Câmara de Cuiabá era “fantasma”.

Embora a defesa de Serys tenha alegado não haver indícios de que ela tenha contribuído para a suposta fraude, o juiz entendeu que a ex-senadora e os demais acusados foram beneficiados. Além dela, foram declarados inelegíveis o então candidato a vice-prefeito Aluízo Lima Pereira e os representantes dos partidos que compunham a coligação, Augusto Jorge Pereira Leite, Cilmara Conceição Coelho e Rogério Rosseti Martins.

Na sentença, o juiz destaca o depoimento de Maria Saturnina Santana de Arruda, conhecida como Dona Nina. Ela afirmou que “sequer sabia que seria lançada candidata às eleições de 2016”. Disse ainda ter acreditado que o cadastro que assinou era uma formalidade para poder trabalhar na campanha da coligação.

Ainda segundo a decisão do juiz, ao descobrir que havia sido lançada como candidata, Dona Nina solicitou o cancelamento de sua candidatura, mas o pedido assinado por ela nunca foi protocolado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Todos os acusados ainda podem recorrer da sentença. A eventual redistribuição dos votos dos candidatos a vereador só deve ocorrer quanto o processo tramitar em julgado, ou seja, quando não houver mais a possibilidade de recursos.

 

Fonte: http://olivre.com.br