Cuiabá têm três unidades de acolhimento para adultos, com capacidade para até 50 pessoas.

Os albergues municipais de Cuiabá trabalharam com capacidade máxima neste fim de semana, quando a temperatura atingiu a casa dos 10°C. É que no período de inverno, o acolhimento a pessoas em situação de vulnerabilidade nessas unidades, bem como as campanhas de arrecadação de agasalhos, se intensifica na Capital, que não está acostumada com o frio.

Ao todo, Cuiabá têm três unidades de acolhimento institucional para adultos, com capacidade máxima de 50 pessoas: a Casa de Abrigamento Porto, a unidade Distrito da Guia e o albergue Manoel Miráglia, no bairro Bordas da Chapada. Os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) são as responsáveis pelo atendimento, triagem, coleta de informações e distribuição das vagas.

“Aqui essas pessoas são acolhidas, têm uma cama, quatro refeições diárias e uma assistente social que faz os encaminhamentos necessários, seja para o mercado de trabalho, retirada de documentação pessoal ou serviços de saúde”, explica a secretária Adjunta de Assistência Social, Hellen Ferreira.

Héllen Ferreira, secretária Adjunta de Assistência Social (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Procuram os abrigos pessoas em conflito familiar, situação de rua e dependência química. No albergue Manoel Miráglia José Leonel Da Costa Pinto, 15 vagas e um quarto são exclusivos para estas últimas, que necessitam de atendimento diferencial. O local possui quatro quartos, sendo um deles feminino e os outros três masculinos.

Conforme o coordenador da unidade, que fica no bairro Bordas da Chapada, José Leonel Da Costa Pinto, conhecido como Zeca, a casa está sempre cheia, especialmente nos dias de frio. “No frio a gente trabalha com capacidade máxima mesmo, até abrimos exceções para pernoite se for a necessidade, mas neste fim de semana foi tranquilo”.

De acordo com Hellen Ferreira, o atendimento quase que total é garantido pela rotatividade, com permanência de até 20 dias. “A demanda realmente aumenta nesse período, porque a gente sabe que o frio dói um bocado. Mas como trabalhamos com vagas provisórias, todo dia tem pessoas chegando e saindo. Também temos buscado expandir o serviço através de parcerias, como com o Centro de Pastoral Para Migrantes”.

Apesar da vaga ser provisória, Zeca garante que cada caso é um caso. “Nós trabalhamos com 20 dias, podendo estender até três meses. A orientação da prefeitura é uma gestão humanizada. Se vencer o prazo e não atingimos a expectativa de realizar tratamento médico, documentação pessoal, nós fazemos um remanejamento”.

Zeca, coordenador do albergue Manoel Miráglia (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Doações

Além da demanda por abrigo, crescem os pedidos de doação no período de frio, especialmente de cobertores e agasalhos. “Roupas e calçados nós sempre precisamos muito, mas utensílios de higiene, cozinha e outros, tudo é bem-vindo e bem aproveitado”, afirma Zeca.

Weide, 26 anos, por exemplo, precisa de uma mala de viagem, pois está com passagem marcada para Goiânia.

José Mario, 48 anos, que está há 30 dias no abrigo, conta que, no fim de semana, chegaram poucas doações de agasalho. “Faz dias que não chega e tá difícil. Desde sexta, agora que abriu um solzinho. Nessa região aqui da Borda da Chapada, o frio é demais. Aqui a gente precisa de agasalho, sabonete… a gente não pode gastar dinheiro, porque to juntando para ir embora. Aqui eles não arrumam passagem”, explica.

Weide e José Mário (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

 

Hellen Ferreira explica que a Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento Humano também realiza a campanha Aquece Cuiabá. Nesta edição, foram arrecadados 21.600 cobertores em cerimônia realizada na última quarta-feira (3), no Ginásio Dom Aquino. À ocasião, também foram distribuídos pouco mais de 7 mil cobertores, destinados as mais de 100 entidades.

Com o objetivo de fazer um levantamento atual do quantitativo da população que hoje se encontra em situação de rua, a equipe também percorreu os principais pontos da Capital, como a região do CPA até a rodoviária, realizando 45 abordagens em praças, viadutos e logradouros públicos.

Interessados em realizar as doações podem procurar diretamente as unidades.

 

 

Fonte: https://olivre.com.br/no-frio-albergues-de-cuiaba-atingem-capacidade-maxima-e-precisam-de-doacoes/