Suspeitos agem a mando de presidiários, segundo a polícia; maioria possui vasta ficha criminal

 

Mandados estão sendo cumpridos desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (9)

 

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (9), a segunda fase da Operação Harlem, que tem por objetivo desarticular uma associação criminosa voltada para o tráfico de drogas na região de Barra do Garças (a 513 km de Cuiabá) e Aragarças (GO).

Mais de 50 policiais federais cumprem 10 mandados de prisão preventiva, 11 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de bens. A ação também conta com a participação do Grupo de Pronta Intervenção da Polícia Federal e dos cães farejadores da PF, Déa e Tommi.

Os suspeitos foram identificados após a deflagração da primeira fase da operação, ocorrida em 12 de julho de 2018. A análise dos celulares apreendidos nas buscas e apreensões permitiu identificá-los, segundo a PF.

 

Divulgação/PF

Operação Harlem PF

Polícia também cumpre mandados de busca e apreensão nas duas cidades

A polícia apurou que os novos suspeitos possuem envolvimento crucial na organização, sendo fornecedores dos investigados que já se encontram presos, atuando ainda como distribuidores para outros grupos criminosos e transportadores para “bocas de fumo”.

A maioria dos investigados possui vasta ficha criminal, sendo que alguns vinham comercializando entorpecentes de dentro do presídio de Aragarças, com a ajuda dos respectivos companheiros ou pessoas ligadas ao tráfico.

As ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Estadual da Comarca de Aragarças (GO).

Harlem

O nome da operação faz alusão ao Bairro Harlem, palco do seriado Luke Cage (Marvel), onde um traficante e líder de uma organização criminosa comanda o tráfico de drogas local. O bairro é situado na cidade de Nova York/EUA e é cortado pelos rios Hudson e Harlem.

Na investigação da PF, o principal suspeito é líder de uma organização criminosa que comanda o tráfico na cidade de Aragarças, cidade cujas divisas também se dão por rios, o rio Garças e o rio Araguaia.

 

Fonte: https://www.midianews.com.br