O presidente do PP em Mato Grosso, deputado federal Ezequiel Fonseca, afirmou que fará um convite para que o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), conselheiro Antônio Joaquim, se filie à sigla.

O conselheiro já afirmou que vai deixar a presidência do órgão neste ano e planeja voltar a disputar um cargo eleitoral.

Ele, inclusive, vem sendo sondado há algum tempo pelo PMDB do deputado Carlos Bezerra.

“O PP vai convidar o Antônio Joaquim. Nós vamos convidar todos aqueles que queiram, democraticamente, vir para o partido e que queiram lá na frente participar de uma convenção”, disse Ezequiel.

O PP vai convidar o Antônio Joaquim. Nós vamos convidar todos aqueles que queiram, democraticamente, vir para o partido e que queiram lá na frente participar de uma convenção

“O partido se reuniu essa semana. Estamos buscando quadros para o PP. Um dos quadros que foi ventilado é o nome do conselheiro Antônio Joaquim. O PP poderá e deverá trabalhar esse convite”, afirmou o deputado.

As declarações foram dadas durante entrevista concedida à Rádio Capital FM.

Na ocasião, Ezequiel admitiu que a ideia é que o conselheiro pleiteie um cargo à majoritária. Ele não especificou se o cargo é de governador ou senador.

“Faremos o convite, assim como fizemos com o Neri Geller, que hoje e é o nosso secretário-geral e que nós temos colocado também como nome para a majoritária”, disse.

Outro nome sondado pelo partido é do ex-prefeito de Água Boa, Mauricio Tonhá.

“Também há um convite para o Maurição de Água Boa, para que possa vir para o PP e também termos uma oportunidade de ter uma candidatura majoritária”, afirmou Ezequiel.

Oposição

Apesar de já ensaiar uma candidatura à majoritária, o deputado Ezequiel Fonseca afirmou que ainda não há uma definição do PP sobre seu posicionamento em relação a ser ou não oposição ao Governo Pedro Taques (PSDB).

“O PP trabalha da seguinte forma: queremos que o governo do Estado de certo, queremos ajudar o governo de Mato Grosso, mas vamos decidir isso em 2018, como o próprio governador já falou, como o ministro Blairo Maggi já falou. Entendemos que é melhor deixar para 2018 essa decisão”, concluiu.

 

Fonte:http://www.midianews.com.br/politica