Governo assumiu o controle da unidade filantrópica e de seus equipamentos de forma emergencial

(POR CAMILA RIBEIRO )

O secretário Gilberto Figueiredo, que prevê 30 dias para reabertura da Santa Casa

 

O secretário de Estado de Saúde Gilberto Figueiredo afirmou que há uma estimativa de 30 dias para que os atendimentos na Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá sejam retomados.

A unidade está com as portas fechadas desde o dia 11 de março. No último dia 2, o governador Mauro Mendes (DEM) decretou a requisição administrativa dos bens e serviços da unidade médica.

Na prática, o governo assumiu o controle do hospital e de seus equipamentos de forma emergencial e temporária.

Segundo Figueiredo, a cautela para retomada nos atendimentos ocorre especialmente em função das condições encontradas na Santa Casa. O secretário relatou um cenário de completa insalubridade no hospital, com ratos e baratas circulando por todo o canto, por exemplo.

Quando a Santa Casa deixou de funcionar e os servidores foram mandados para casa, tinha resto de comida na cozinha e aí proliferaram bichos e infecção pra todo lado

“Apertei nosso cronômetro, pretendemos em 30 dias colocar o hospital para funcionar. É importante frisar que a Santa Casa está parada há 60 dias. Se alguém quiser entrar pra fazer visita eu abro para mostrar as instalações. Tem rato passeando por todo lado, barata em todo lado”, disse.

“Quando a Santa Casa deixou de funcionar e os servidores foram mandados para casa, tinha resto de comida na cozinha e aí proliferaram bichos e infecção para todo lado. Vamos ter que desinfetar a unidade, dedetizar, enfim, várias medidas”, acrescentou o secretário, em entrevista à Rádio Capital FM.

Figueiredo disse que já determinou que a vigilância do Município de Cuiabá também notifique todos os demais estabelecimentos no entorno da Santa Casa, de modo que adotem os mesmos procedimentos de dedetização.

O secretário também afirmou que foram encontrados na Santa Casa problemas como infiltrações, fungos, goteiras, dentre outros.

“A Santa Casa se tivesse hoje todo o efetivo de prestador de serviço na área finalística e administrativa, não poderia abrir, sob risco de morrer muita gente lá dentro. Estamos falando de um hospital. Estamos adotando todo protocolo dessa área para que assegurar o início do funcionamento com segurança”, disse.

“E, logicamente, temos uma força-tarefa, já que precisamos também contratar quase 600 profissionais, contratar os serviços especializados. Todos estão trabalhando diuturnamente para que possa vencer esse prazo de 30 dias”, concluiu o secretário.

 

Fonte: https://www.midianews.com.br