Na manhã desta quarta-feira, 07, o senador Cidinho Santos (PR/MT) participou do lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018, que destinará R$ 190,25 bilhões para o crédito rural a partir do dia 1º de julho. O anúncio foi feito pelo presidente Michel Temer e pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi.

“Quando eu vejo a descrição do que está sendo feito no setor do agronegócio em geral, me questiono, será que temos o direito de ser pessimistas com o Brasil? Não tenho dúvidas que o otimismo permeia essa solenidade”, disse o presidente, destacando a safra recorde de 232 milhões de toneladas.

Blairo Maggi ressaltou o papel do agronegócio na economia brasileira, responsável por 21% do PIB brasileiro. No primeiro trimestre deste ano, o PIB agropecuário teve crescimento de 13,4%. O ministro ainda destacou os investimentos em tecnologia, que permitem que o Brasil produza alimentos para o mundo preservando mais de 60% do território nacional.

O senador Cidinho Santos elogiou o trabalho do ministro Blairo Maggi. “O setor da agricultura e pecuária brasileira estão puxando a economia nesse momento difícil. O ministro Blairo e o presidente Temer estão dando a importância devida ao setor, colocando mais recursos a juros mais baratos”.

Também participaram os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, da Câmara, Rodrigo Maia, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, senadores, deputados, entidades financeiras, entidades representativas e produtores rurais.

Recursos e juros

O volume de crédito para custeio e comercialização é de R$ 150,25 bilhões, sendo R$ 116,25 bilhões com juros controlados (taxas fixadas pelo governo) e R$ 34 bilhões com juros livres (livre negociação entre a instituição financeira e o produtor).

O montante para investimento saltou de R$ 34,05 bilhões para R$ 38,15 bilhões, com aumento de 12%. Apoio à comercialização terá 1,4 bilhão. R$ 550 milhões serão destinados ao Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

Quanto aos juros, houve redução de um ponto percentual ao ano nas linhas de custeio e de investimento e, de dois pontos percentuais ao ano nos programas prioritários voltados à armazenagem (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns/PCA – 6,5% a.a.) e à inovação tecnológica na agricultura (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária/Inovagro – 6,5% a.a.).

No custeio, os juros caíram de 8,5% ao ano e 9,5% ao ano para 7,5% e 8,5%. O mesmo aconteceu para os programas de investimento, à exceção do PCA e Inovagro, nos quais a taxa foi fixada em 6,5% ao ano.

O limite de financiamento de custeio é de R$ 3 milhões por produtor, por ano-agrícola. Para o médio produtor, o limite é de R$ 1,5 milhão. O prazo de pagamento é de 14 meses para produtores de grãos.

Com informações do Ministério da Agricultura

Foto: Marcos Correa/PR

Fonte: Assecom