O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), afirmou que o fato de ser parceiro do governador Pedro Taques (PSDB) não o impede de fazer críticas ao Poder Executivo, quando entender necessário.

 

Prova disso é que na última semana, Botelho chegou a classificar toda a equipe do Governo como “incompetente”, em razão da demora para o envio de projetos considerados polêmicos ao Legislativo.

 

“Fiz uma crítica pontual. Sou parceiro do governador, sou companheiro do governador. Agora, de vez em quando é preciso dar uma ‘cutucadinha’ para as coisas andarem”, afirmou.

 

Fiz uma crítica pontual. Sou parceiro do governador, sou companheiro do governador. Agora, de vez em quando é preciso dar uma ‘cutucadinha’ para as coisas andarem

Botelho disse já ter conversado rapidamente com o governador sobre o assunto, mas afirmou que eventuais arestas serão aparadas em um jantar que será realizado em sua casa na próxima quarta-feira (9).

 

Também participarão do encontro alguns secretários de Taques e deputados da base aliada do Governo.

 

Na oportunidade, também serão debatidas questões como o atraso no pagamento do duodécimo aos Poderes, por exemplo.

 

“Já tivemos uma boa conversa, conversa de amigos e parceiros. Vamos alinhar para que as coisas comecem a andar de uma forma que nós desejamos. Vamos fazer um jantar na quarta-feira na minha casa, com deputados da base, com o governador e secretários. Vamos discutir todos os projetos, inclusive os atritos que estamos tendo”, afirmou o presidente.

 

R$ 120 milhões em emendas

 

Os deputados, segundo Botelho, também esperam que Taques apresente um cronograma para pagamentos das emendas parlamentares que estão em atraso.

 

De acordo com o presidente, há aproximadamente R$ 120 milhões em emendas que não foram pagas este ano.

 

“Existe uma insatisfação dos deputados. Essa discussão também vamos travar na quarta-feira e, provavelmente, o governador vai apresentar um cronograma para pagamento disso”, afirmou.

 

“Vamos fazer uma discussão de todos os assuntos pendentes: emendas, atrasos no duodécimo, projetos que estão por vir. Vamos alinhar tudo isso”, concluiu.

 

Fonte: http://www.midianews.com.br