Taques rebate dono da Engeglobal e diz que documentos da Secid comprovam conduta correta

O ex-governador Pedro Taques (PSDB) rebateu o dono da Engeglobal Construções, Robério Garcia, que o acusou de perseguição política. O empresário, que é pai do suplente de senador Fabio Garcia (DEM), afirmou que as obras da Copa do Mundo de 2014, pelas quais a Engeglobal ficou responsável, não avançaram por causa de perseguição política por parte de Taques.

Ele avaliou que o então governador tentava atingir, através dele, seu filho e até mesmo o governador Mauro Mendes, ambos filiados hoje ao Democratas. Taques, porém, afirmou que existem documentos públicos que comprovam sua conduta correta.
A Engeglobal Construções era responsável por quatro obras para a Copa do Mundo de 2014. As da reforma do Aeroporto Internacional, orçadas em mais de R$ 84 milhões, acabaram ficando a cargo da Infraero, porém restaram outras três.

A empresa deveria entregar, até 2014, as obras do COT da UFMT, orçada em R$ 17,1 milhões, do COT do Pari, orçada em R$ 31,7 milhões e de readequação da Avenida 8 de abril, orçada em R$ 26,7 milhões. No entanto, pelo que Robério classificou como “confusão total em todas as obras”, por parte do Governo, e em decorrência de falta de dinheiro, projetos ou orçamentos, nenhuma foi entregue no prazo.

Após a realização da Copa do Mundo de 2014 as obras foram paralisadas, por meio de decreto do governador Silval Barbosa. Na gestão seguinte, de Pedro Taques, o decreto foi reeditado e todas as obras foram paralisadas. Robério acredita que a paralisação durou toda a gestão de Taques por causa de perseguição política.

“Houve um problema político, vocês sabem que eu tenho conexões políticas no Estado. Houve uma confusão do governo passado, ‘vamos pegar o Roberinho’, e foi uma bobagem, porque isso não iria afetar Mauro Mendes a ser governador, e nem meu filho de ser, na época, candidato a deputado federal, e começaram a gerenciar esta coisa tão importante, tão séria, com notinha de jornal”.

Ao Olhar Direto o ex-governador Pedro Taques rebateu o dono da Engeglobal e afirmou que “os documentos que comprovam a conduta correta do Estado, na nossa administração, estão todos na Secid, e são públicos, inclusive as várias reuniões com o senhor Robério”.

 

Fonte: https://www.olhardireto.com.br/