Série de reportagens do Isso É Notícia mostra sistemas de transporte VLT e BRT pelo Brasil

Uma das composições do metrô de Teresina

Uma das composições do metrô de Teresina

Enquanto Cuiabá e Várzea Grande vivem o dilema do “VLT ou BRT”, o Veículo Leve sob Trilhos (VLT) já é realidade em Teresina, capital do Piauí, desde 1991. E com tarifa 4 vezes mais barata do que a cobrada no sistema de ônibus convencional da cidade: apenas R$ 1.

Isso É Notícia conheceu, nesta semana, o Metrô de Teresina, um sistema de VLT com 13,5 quilômetros, 11 estações (das quais 6 estão atualmente desativadas) com três composições movidas a diesel fabricadas pela empresa brasileira Bom Sinal, diferente do VLT de Cuiabá que é movido por energia elétrica, ou seja, uma fonte ambientalmente limpa.

Algumas estações do sistema estão desativadas porque acabaram sendo alvo de vandalismo no período em que o Governo do Piauí decidiu suspender o funcionamento do metrô durante o início da pandemia como medida para evitar a propagação da covid-19.

Atuamente, por dia, passam pelo metrô de Teresina cerca de 5 mil usuários em uma linha que liga duas regiões periféricas passando pelo centro da cidade, diferente do caso de Cuiabá cujo projeto foi feito para atender os eixos centrais de ligação das regiões de Várzea Grande e centro-norte e centro-sul de Cuiabá.

A população que mora nos bairros atendidos pelo sistema prefer o metrô aos ônibus principalmente pelo valor da tarifa que é de R$ 1. Já quem pega ônibus paga bem mais caro: R$ 4.

 

Chefe de gabinete da CMTP do Piauí, Sérgio Ribeiro

Chefe de gabinete da CMTP, Sérgio Ribeiro

 

Para o chefe de gabinete da Companhia Metropolitana de Transporte Público de Teresina, Sérgio Ribeiro, o sistema é eficiente e fácil de administrar.

“É uma opção mais eficiente para quem vai se locomover entre as regiões atendidas pelo sistema. Não tem trânsito, é seguro e a tarifa bem mais barata”, comentou.

Ele admitiu que o governo acaba subsidiando o sistema. “O governo acaba contribuindo para manter o sistema, mas não é nada que comprometa as suas finanças e o importante é prestar um serviço de transporte de qualidade e com conforto”, completou Sergio Ribeiro.

A segurança também é um diferencial no metrô de Teresina porque em cada composição há dois policiais que viajam para garantir a segurança dos usuários, o que não é possível de se implantar no sistema convencional.

Cada composição carrega até 445 pessoas em pé e 130 sentadas. Todas elas têm ar condicionado.

Conhecendo o VLT e o BRT pelo Brasil

Isso É Notícia, em parceria com o GW100, está produzindo uma série de reportagens mostrando como funciona os sistemas VLT e BRT pelo Brasil.

Além de Teresina, a reportagem vai visitar as cidades de Maceió, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Santos.

No mês que vem, o portal vai publicar a reportagem especial completa, em vídeo.

Confira a live gravada direto do Metrô de Teresina:

Conhecendo o VLT de Teresina, no Piauí – Preço da passagem: R$ 1,00.

Curta o Isso É Notícia e fique de olho nas próximas lives que vão mostrar os sistemas de transporte VLT e BRT de Maceió, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Santos.

 

 

 

 

FONTE: https://www.issoenoticia.com.br/noticia/32050/teresina-tem-vlt-movido-a-diesel-com-tarifa-a-r-1