Reprodução

Réu em processos judiciais, o traficante Edson Gonçalves de Jesus, popularmente conhecido como ‘Disson’, 46 anos, aguardava julgamento da Justiça em liberdade após denúncia do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) por oferecer vantagem ilícita contra servidor público. A avaliação da Justiça sobre seus crimes estava prevista para ser realizada no início deste ano, mas foi adiada por conta da pandemia da covid-19.

O último encaminhamento do processo que julgava Dilsão foi feito no final de junho deste ano, quando a juíza Ana Cristina Silva Mendes determinou a manifestação da defesa do acusado a fim de que os advogados do traficante disponibilizassem o endereço de Edson Gonçalves.

Natural de Jaciara (144 km ao sul de Cuiabá), Disson foi executado no final da manhã desta sexta-feira na rua Inconfidência, localizada no bairro Renascer, em Cuiabá. Ele seguia de carro quando foi baleado por supostos rivais do crime e perdeu o controle do veículo.

Até o momento, não há informações sobre o número de envolvidos na execução de Disson, nem de com quantos tiros o traficante foi alvo. Contudo, há relatos que apontam que o conflito pode estar relacionado ao fato de que o traficante nunca se filiou a facções criminosas e poderia estar sofrendo perseguição por conta disso.

Popular no mundo do crime entre as décadas de 1990 e início dos anos 2000, Disson já foi considerado o maior traficante de Cuiabá, sobretudo na região do Pedregal. Símbolo do crime naquele período, Dilsão presenciou a transição entre uma Capital na qual lideranças desassociadas comandavam o tráfico de drogas e a chegada de grupos criminosos organizados.

A morte de Disson será investigada pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

 

 

FONTE; https://www.gazetadigital.com.br/editorias/policia/traficante-executado-aguardava-julgamento-da-justia-em-liberdade/633326