Próxima cidade a ter nova executiva deve ser Várzea Grande; direções municipais foram destituídas nos 141 municípios

Laíse Lucatelli, da Redação

 

Depois da destituição em massa das executivas do PSB nos 141 municípios de Mato Grosso, o presidente estadual do partido, o deputado federal Valtenir Pereira, começou a nomear as comissões provisórias municipais.

A primeira foi a de Rondonópolis, onde colocou como presidente o professor Valter Barbosa Arantes e como vice-presidente o próprio irmão, o também defensor público Valdenir Luiz Pereira.

A próxima cidade a ter uma nova executiva deve ser Várzea Grande. O presidente do PSB não adiantou, no entanto, quem são os cotados para assumir a direção.

Rondonópolis
Em entrevista ao LIVRE, Valtenir afirmou que a nova comissão provisória foi definida pela base do partido em Rondonópolis. “Sentamos com o partido e eles trouxeram nomes”, relatou.

“Havia irregularidades que demonstravam falta de zelo e cuidado com o partido, como pessoas que saíram do partido e continuaram na executiva. Decidimos começar do zero”

O novo presidente, Valter Arantes, sustenta que não houve brigas no processo de escolha da nova direção em Rondonópolis. Ele sucede ao empresário Adelino Bissoni, que pertence ao grupo de Sachetti.

“Foi um processo natural, pois já estávamos conversando sobre fazer mudanças na direção em função de haver pessoas muito ocupadas com seus afazeres. Eu já estava cotado para ser vice e agora fui nomeado presidente. Isso foi decidido entre vários membros e filiados”, explicou.

Valter é filiado ao PSB desde 1997. Valdenir, por sua vez, acompanhou o irmão por quase todas as mudanças partidárias – saiu do PSB em 2013 e se filiou ao PROS, depois ao PMB e voltou ao PSB. Ele só não passou pelo PMDB.

Além de Valter e Valdenir, compõem a nova direção do PSB em Rondonópolis Magno Pereira da Silva como secretário-geral, Valmir José dos Passos como secretário de Finanças, Leirson Fernando Vilalba Silva como secretário de Movimento Popular, e Silvia Regina Batista da Silva como secretária de Organização.

Destituição em massa
Valtenir Pereira desembarcou no PSB em 14 de junho, depois de quatro anos fora da sigla. Ele chegou com as bênçãos do presidente nacional Carlos Siqueira, já assumindo a presidência e provocando um racha no partido. Valtenir destituiu as executivas do PSB em todos os municípios em 3 de julho, exatamente uma semana depois de a antiga cúpula anunciar que pressionaria a legenda a realizar eleições para o diretório estadual.

A expectativa do grupo era conseguir, no voto, tirar a condução do PSB das mãos de Valtenir. Eles pretendiam colocar o deputado federal Fábio Garcia de volta na presidência, depois de ele ter sido destituído pela direção nacional sob o argumento de que contrariou a orientação partidária ao votar a favor da reforma trabalhista, em maio. Ocorre que Valtenir, ainda no PMDB, votou da mesma forma.

Falta de cuidado
Valtenir argumenta que a decisão de destituir as presidências de todos os municípios foi em função de inconsistências encontradas em alguns deles. “Havia um monte de irregularidades que demonstravam falta de zelo e cuidado com o partido, como pessoas que saíram do partido e continuaram na executiva. Então decidimos começar do zero”, justificou.

Ele rechaçou as críticas dos adversários internos de estaria adotando uma postura ditatorial. “Eu encaro essas declarações com absoluta naturalidade. Não me abalo. Tudo o que estou fazendo é com base no estatuto do partido. São regras estatutárias”, afirmou.

 

Fonte: http://olivre.com.br