27/02/2024

Vídeo dá mais o que falar que a bola na Copa das Confederações

Foram necessários apenas quatro jogos na Copa das Confederações para que a utilização do árbitro de vídeo, o agora famoso VAR (na sigla em inglês), desse o que falar. Seja pelo tempo de espera, pelas comemorações pela metade ou pelo grito de gol dos narradores interrompido pelo gesto do dono do apito – o de mostrar uma televisão, em alusão ao pedido de auxílio do replay –, há quem se confunda com as regras e até aqueles que já disparam contra o recurso.

Giulliano Bozzano, presidente da comissão de arbitragem da Federação Mineira, deu sua opinião sobre o tema do momento. O ex-árbitro ressaltou a diminuição considerável do tempo de decisão dos árbitros, que já gira em torno de menos de um minuto, além do papel do bandeirinha, talvez o principal alvo do VAR e que terá suas decisões, daqui para frente, bastante questionadas.

“Acho que o tempo não deve ser nossa preocupação neste momento. Devemos nos preocupar com o treinamento para que isso dê certo. A tendência, claro, é que isso diminua e torne a partida célere. Em relação aos assistentes, eles têm que se acostumar, todos eles sabem que existe uma tecnologia, sabem que existem as câmeras, e tenho certeza de que eles não se importam de suas decisões serem corrigidas pela tecnologia”, analisa Bozzano.

E o presidente da comissão de arbitragem não tem dúvidas de que, mesmo contestada por alguns saudosistas, a tecnologia no futebol é um caminho sem volta.

“Não é mais possível que os juízes sejam julgados pelas câmeras, por várias delas, com alta definição, e eles não possam se utilizar das mesmas imagens para corrigir ou para decidir algo”, analisa Bozzano.

Nesse momento de testes, uma vez que o grande objetivo da Fifa é a plena utilização do recurso na Copa de 2018, será necessário compreensão. Pelo bem do futebol, o bom senso precisa prevalecer, dando fim às injustiças históricas que sempre marcaram o esporte mais popular do planeta.

“Não é justo que equipes ou países fiquem fora de competições em virtude de situações que possam ser corrigidas pela tecnologia. O custo do VAR é ainda muito alto, temos que nos acostumar com testes e ajustes, isso é perfeitamente normal quando mudanças desse porte ocorrem. Já passou da hora de nós, árbitros, utilizarmos a mesma tecnologia que nos julga”, conclui Bozzano.

Até aqui. Ao fim da 1ª rodada da fase de grupos, videoarbitragem já foi usada em cinco ocasiões, todas em situações de gol: quatro relacionadas com impedimentos e outra com uma mão na bola.

Decisão final do lance caberá sempre ao árbitro de campo

Quando. O recurso do árbitro de vídeo que está sendo utilizado na Copa das Confederações pode ser acionado em quatro situações: se houve irregularidade em algum gol, se a marcação do pênalti é correta ou não, se uma falta merece ou não cartão vermelho e para ajudar o árbitro a identificar um jogador na hora de adverti-lo.

Decisão. Em todas a situações, a palavra final caberá sempre ao árbitro da partida. O brasileiro Sandro Meira Ricci é o único brasileiro nos quadros de arbitragem do torneio.

Testes. A novidade já foi testada no Mundial de Clubes e na Copa do Mundo Sub-20, na Coreia do Sul. No Brasil, o recurso foi utilizado na final do Pernambucano, em maio.

 

 

Fonte      http://www.otempo.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize