21/04/2024

Presidente do TCE: sem ajuste, é difícil atrair investimentos

Conselheiro Domingos Neto prega planejamento e a adoção de reformas estruturantes

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, Domingos Neto, defendeu nesta quinta-feira (25) a adoção de reformas estruturantes no poder público a fim de promover um ajuste fiscal sustentável nos governos.

 

Ele falou na abertura do seminário “Ajuste Fiscal ou Desgoverno – Equilíbrio, Transparência, Eficiência”, promovido pelo TCE.

 

“Sem planejamento e ajuste fiscal, fica complicado abrir a porta da economia e atrair novos investimentos. É o momento de pensarmos no futuro e não apenas no agora. Os desafios que se apresentam nos exigem disciplina e responsabilidade na gestão fiscal, planejamento, transparência e diálogo com a sociedade”, afirmou o conselheiro.

 

O ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, um dos principais palestrantes do seminário, alertou para o equívoco dos gestores em esperar que soluções para a crise fiscal e financeira que atinge estados e municípios venham da União.

 

“Esse olhar para Brasília é equivocado. A solução não começa em Brasília, a solução começa dentro de casa, com as medidas que precisamos tomar como gestores públicos. A comunicação é muito importante nesse processo, precisamos conversar com a sociedade, com os poderes e instituições, dialogando muito e trabalhar para colocar as despesas dentro das receitas. Não tem milagre, esse é o trabalho que tem que ser feito por cada prefeito, cada governador”, afirmou.

 

Hartung tem experiência em promoção de ajuste fiscal. Durante sua gestão, o ex-governador reestruturou as finanças do Espírito Santo, que estava em situação caótica e falimentar em 2014. Sob seu comando, as contas foram reequilibradas e as crises setoriais de saúde, segurança e infraestrutura superadas ao longo dos quatro anos do seu mandato. Graças às medidas, o Espírito Santo foi o único Estado da Federação a receber da Secretaria do Tesouro Nacional a Nota A na avaliação da capacidade de pagamento.

 

Em seu discurso, o governador Mauro Mendes afirmou que os gestores precisam ter coragem de serem impopulares se querem, de fato, promover o equilíbrio fiscal e realizar uma gestão eficaz. Como exemplo, Mendes lembrou que ao assumir o Executivo, adotou uma série de medidas impopulares, mas segundo ele, necessárias para o equilíbrio das contas.

 

Segundo Mendes, “a construção do equilíbrio fiscal não é uma coisa simples. Não é em um mês ou dois que as coisas acontecem. É preciso um tempo e, principalmente, saber o que, como e para quê fazer o que é preciso para corrigir os problemas. É, acima de tudo, ter coragem para tomar as decisões necessárias para fazer o enfrentamento das causas que produzem as crises econômico-financeiras e construir o equilíbrio fiscal, dia a dia, ações após ações, para que o estado volte a gastar apenas aquilo que arrecada e fazer, com o tempo, sobrar recursos para investimentos naquilo que realmente importa ao cidadão, que é a saúde, a educação, a segurança, o transporte, a infraestrutura”, afirmou.

 

 

Fonte: https://www.midianews.com.br

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment
CNH

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize