17/05/2024

Juiz manda VG Shopping bancar tratamento de mulher

Juiz da Segunda Vara Cível, André Mauricio Lopes Prioli condenou o Várzea Grande Shopping a pagar o custo do tratamento médico e indenizar uma moradora identificada pelas iniciais J.M.A. por causa de uma valeta na porta de entrada do shopping na qual ela tropeçou e caiu, machucando o tornozelo, em julho de 2017.

J.M.A. deu início a uma Ação de Reparação de Danos Morais, Materiais e Pensão Vitalícia com Pedido de Tutela de Urgência contra o VG Shopping relatando lesões ocasionadas pelo tombo em seu tornozelo, coxa e joelho esquerdos. Na época, ela foi ajudada pelos funcionários do shopping, que a encaminharam ao Pronto-Socorro de Várzea Grande.

A mulher afirma na ação que a empresa custeou os exames e remédios no início do tratamento, mas a partir de julho deste ano começou a exigir que a vítima primeiro pagasse por tudo e depois buscasse o reembolso. Ela alegou que sequer estava conseguindo trabalhar por conta das lesões, como vendedora de lanches e espetinhos e, exatamente por isso, não teria condições de seguir com o tratamento.

Na ação onde pedia tutela e urgência, o advogado de J.M.A. argumentou que o Várzea Grande Shopping deveria pagar o tratamento tendo como única condicionante a apresentação  de encaminhamento médico, além de uma pensão mensal de R$ 2 mil, o valor declarado de ganhos da paciente em seu trabalho.

O juiz André Mauricio Lopes acolheu os argumentos. “O perigo de dano evidencia-se no fato de que a autora necessita continuar o tratamento que, segundo afirma, não possui para tanto, de modo que não sendo concedida da tutela poderá ser obrigada a interromper o tratamento médico, prejudicando o seu quadro clínico”, escreveu na decisão, mas não estabeleceu a pensão porque, para ele, “não há prova de que a autora exercia atividade e percebia o montante pleiteado”. Ao menos não nesta fase do processo. Conceder a pensão agora, fundamentou o juiz, esgotaria “o mérito sem a devida oportunidade de exercício do contraditório e da ampla defesa, violando a Constituição Federal”.

O Várzea Grande Shopping se posicionou por meio da seguinte nota:

“Desde o ocorrido com a senhora J.M.A, o Várzea Grande Shopping vem prestando todo auxilio necessário e arcando com os custos do tratamento médico. A decisão parcial apenas reforça o que já vem sendo feito pelo empreendimento desde julho de 2017.

Sem mais, o departamento jurídico segue acompanhando o processo para que todas as medidas cabíveis sejam tomadas”.

Fonte: www.folhamax.com/cidades

Similar Articles

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Advertisment

Powered by WP Bannerize

Recentes

Advertisment
DP TESTE

Powered by WP Bannerize